31 de ago de 2012

Salário mínimo em 2013 será de R$ 670,95, determina ministério

Aumento de R$ 48 concedido pelo governo causará impacto de cerca de R$ 15,1 bilhões aos cofres públicos

Do Portal Terra

notas-de-real---uol-blogosfera-17032010-1268854613024_300x300.jpg
O Ministério do Planejamento fixou em R$ 670,95 o valor do salário mínimo a partir de janeiro de 2013. Essa é a proposta que o governo federal incluiu no Projeto de Lei Orçamentária Anual (Ploa) enviado nesta quinta-feira ao Congresso Nacional. O novo valor é 7,9% maior que os R$ 622 pagos atualmente.
A Ploa traz a previsão de gastos do governo para o próximo ano. O novo valor do mínimo passa a ser pago a partir de fevereiro, referente ao mês de janeiro. O reajuste inclui a variação de 2,7% do Produto Interno Bruto (PIB) de 2011 e a estimativa de que a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) previsto para o ano de 5%.
 
A estimativa do governo é que cada R$ 1 de avanço no mínimo gerem despesas de R$ 308 milhões ao governo. Com isso, o aumento de R$ 48 concedido pelo governo causará impacto de cerca de R$ 15,1 bilhões aos cofres públicos. O INPC é o índice utilizado nas negociações salariais dos sindicatos e faz parte do acordo de evolução do salário mínimo fechado entre governo e centrais sindicais.
 
Para os aposentados que ganham acima do mínimo, a ministra do Planejamento, Miriam Belchior disse que o reajuste será de 5%, o mesmo que o INPC de 2012. Ela disse também que a previsão de déficit para a Previdência no próximo ano é de R$ 34,2 bilhões.
 

30 de ago de 2012

Cristina diz ser reencarnação de 'grande arquiteto egípcio'

Presidente deu a declaração em discurso transmitido em cadeia de televisão

Cristina Kirchner, presidente da Argentina
Cristina Kirchner, presidente da Argentina (Lorenzo Tarditti/EFE)
Nesta quarta-feira, a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, mostrou mais uma vez sua, digamos, excentricidade: em um discurso feito em cadeia nacional de televisão, ela disse ser “a reencarnação de um grande arquiteto egípcio”, pois não consegue segurar sua vocação e “ama construir”.

Cristina mostrou sua predileção pelo antigo Egito pelo menos em mais uma ocasião. O jornal El Clarín destacou que, em março de 2010, quando inaugurou um gasoduto na região de Ushaia, ela disse se sentir como o faraó Quéops  diante de uma pirâmide, em uma alusão à construção de Giza, a mais antiga das sete maravilhas do mundo.

Sem bons números ou ideias, a presidente optou por uma fala vazia.  “Não temos que repetir atitudes que não nos agradam. Em um momento em que o mundo parece vir a baixo, nós jogamos tudo para cima, com otimismo, força e muita esperança”, concluiu.

Expropriação - Foi mais ou menos 'jogar tudo para cima' o caminho encontrado por ela para resolver o escândalo de corrupção envolvendo seu vice, Amado Boudou, e uma empresa de impressão de papel-moeda. Em vez de apurar o que de fato ocorreu, a presidente-faraó mandou um projeto ao Congresso para expropriar a empresa.
Deputados opositores acusam Boudou de ter pedido à Receita Federal que não decretasse a quebra da Companhia de Valores Sul-Americana (CVS) quando ele era ministro da Economia. O objetivo, de acordo com a acusação, seria facilitar sua compra por um fundo de investimentos.
A declaração de utilidade pública da companhia (a única autorizada a produzir pesos desde quando a Casa da Moeda passou a terceirizar o serviço, em 1990) foi aprovada em uma votação relâmpago nesta quarta-feira no Congresso argentino, que é amplamente dominado pela presidente. Segundo Cristina, a expropriação é necessária para o estado recuperar a capacidade de imprimir cédulas e fabricar moedas.
Marcos Brindicci / Reuters
Vice Amado Boudou recebe instruções da presidente Cristina Kirchner
Vice Amado Boudou recebe instruções da presidente Cristina Kirchner
Inflação - Outra medida tomada pelo "kirchnerismo", que reflete seu modus operandi, foi a sanção decretada contra a ONG Consumidores Libres, de direitos dos consumidores, que teve sua licença de funcionamento suspensa após divulgar uma pesquisa que apontava o aumento da inflação em produtos da cesta básica argentina.

O Ministério de Defesa do Consumidor argentino alegou, como publicou o jornal El Clarín, que faltava na pesquisa “rigor, embasamento científico e a consistência estatísticas necessárias para a realização de medições deste tipo” o que poderia induzir a “confusão ou a disseminação de dados inverossímeis”.
Os dados oficiais de inflação argentinos há muito deixaram considerados "verossímeis" por organismos e publicações internacionais.

(Com Agência EFE)

29 de ago de 2012

Equipe brasileira de triatlo militar conquista ouro inédito em mundial na Suíça

Brasília – O hino nacional e a bandeira verde e amarela tomaram conta da cidade de Lausanne, na Suíça, no último sábado (25). Pela primeira vez, o Brasil subiu ao lugar mais alto do pódio nas modalidades individual feminina e masculina e por equipe mista no Campeonato Mundial Militar de Triathlon (natação, ciclismo e corrida). Os atletas brasileiros conquistaram medalha nas cinco categorias da competição, levando para casa três ouros, uma prata e um bronze.
O bom resultado, segundo o chefe da delegação brasileira, coronel Mario Felizardo Medina, surpreendeu os competidores, que colocaram as delegações da China, França e Polônia como favoritas. “Foi fundamental a estratégia utilizada nas provas, além do trabalho muito bem feito da equipe”, afirmou.
De acordo com o coronel, além dos adversários, os atletas brasileiros tiveram de enfrentar dificuldades com fuso horário (5h a mais que Brasília/DF), alimentação diferenciada – “mais apimentada” do que a brasileira – e o fato de terem chegado ao país europeu na véspera da competição. No final, contudo, prevaleceu o espírito de superação.

Conquistas

Mais uma vez, a participação feminina teve destaque entre os atletas militares brasileiros. Uma das medalhas de ouro foi alcançada pela sargento do Exército Pâmella Nascimento de Oliveira, capixaba de 24 anos (foto ao lado, primeira da direita para esquerda). A atleta, agora campeã mundial militar, participou recentemente dos Jogos Olímpicos de Londres 2012, além de ter obtido bronze no Pan-americano do ano passado. Na competição da Suíça, Pamella esteve à frente das adversárias ao longo de todas as provas.
O também sargento do Exército Reinaldo Colucci, paulista de 26 anos (foto abaixo), conquistou o outro ouro individual para a equipe brasileira. Atual campeão pan-americano de triatlo, ele tomou a dianteira na última parte da prova, a corrida, e não deixou a medalha escapar. Em sua página pessoal na internet, ele disse estar “muito feliz e orgulhoso por ver a bandeira nacional no lugar mais alto”.
Já a terceira medalha dourada foi mérito da equipe mista. Nessa categoria, são contabilizados os resultados dos três melhores competidores masculinos e da melhor atleta feminina classificada em cada país. A soma deu ao Brasil o primeiro lugar no pódio.
Os atletas militares brasileiros também ganharam prata por equipe masculina, onde prevaleceu o trabalho dos integrantes do grupo, os sargentos do Exército Reinaldo Colucci, Marcus Fernandes, Bruno Matheus e Wesley Matos; além do major Kelmerson Buck e do capitão Diefferson Felix. A equipe feminina trouxe o bronze, com as sargentos do Exército Pâmella Oliveira, Flávia Fernandes e Vanessa Gianinni; e as marinheiras Carolina Furriela, Fernanda Garcia e Carolina Menezes.

Triatlo

Organizado pelo Exército da Suíça, o Campeonato Mundial Militar de Triathlon deste ano reuniu cerca de 120 atletas de 18 países. Ao todo, os competidores participaram de provas que somaram 1.500 m de natação, 40 km de ciclismo e 10 km de corrida. Foi de aproximadamente duas horas o tempo médio de realização das três atividades esportivas do triatlo militar.
A equipe brasileira é treinada pela Comissão de Desportos do Exército (CDE), localizada no Rio de Janeiro. Para o coronel Medina, o triatlo “é uma prova definida nos detalhes”. Na sua avaliação, o trabalho feito pela comissão nacional foi bem feito, principalmente no que se refere ao aspecto psicológico dos atletas.
A vitória, segundo ele, é um reconhecimento e a certeza de “estar no caminho certo”. Segundo Medina, o próximo passo da delegação são os Jogos Mundiais Militares de 2015 na Coreia do Sul. “Este é o nosso objetivo principal a partir de agora”, disse.
Fotos: Divulgação
Assessoria de Comunicação Social (Ascom)
Ministério da Defesa