30 de jul de 2011

Leopard reforça importância de Santa Maria, RS

General de divisão Eduardo Wizniewsky, subcomandante logístico do Comando do Exército, garante que a infraestrutura do 1º Regimento de Carros de Combate, em Santa Maria, é melhor que as da Alemanha

Santa Maria confirmou esta semana o título de Capital Nacional dos Blindados, com a realização do encontro de cúpula do Exército na cidade. O Município tem 217 carros de combate em operação, incluindo modelos Leopard 1 A1, Leopard 1 A5, M-113, M-108, Cascavel e Urutu, e deverá receber mais 68 pelo Programa Leopard. Também há 77 unidades no Parque de Manutenção, onde ficam os veículos vindos da Alemanha com destino aos regimentos pertencentes ao programa. Aqui também funciona o primeiro Centro de Instrução de Blindados do País e, ao lado de Santiago, capital do Chile, um dos únicos preparados para uso do Leopard. Em razão disso, Santa Maria sediou,  a reunião sistêmica integrada do Programa Leopard, que geralmente ocorre em Brasília. Com a presença da elite do Exército, entre eles o general de divisão Eduardo Wizniewsky, subcomandante logístico do Comando do Exército, responsável pelo relacionamento com Programa Leopard. Ele concedeu entrevista exclusiva ao Jornal A Razão.

O general Eduardo veio fechar detalhes para a segunda etapa do Programa Leopard, chamada de Suporte Logístico Integrado. A primeira consistiu no treinamento dos militares e na aquisição dos 220 carros de combate do modelo Leopard 1 A5 e dos demais equipamentos pela fabricante alemã Krauss-Maffei Wegmann, a KMW (veja mais detalhes no quadro). A fase a seguir, cujo orçamento está sob avaliação do Ministério do Exército e poderá sofrer modificações, contempla a manutenção dos veículos e a realização de obras, conforme os padrões exigidos, nos quartéis onde há treinamento para o uso de blindados Leopard – 1º Regimento de Carros de Combate, em Santa Maria, 4º Regimento de Carros de Combate, além de quartéis nas cidades paranaenses de Ponta Grossa e Rio Negro. Entre as obras, seriam prioritários os términos da infraestrutura na unidades de Santa Maria e Rosário do Sul. Neste último regimento também está prevista a construção de estande de tiro. “As instalações que temos no 1º RCC são melhores das que temos na Alemanha”, comparou o general Eduardo.

Em relação à segunda etapa do Programa Leopard, o general explica que o contrato prevê com a indústria alemã prevê, além dos equipamentos, o funcionamento pleno e a manutenção. Assim, de acordo com o general subcomandante logístico, a escolha da KMW deveu-se à manutenção oferecida aos simuladores digitais, que reproduzem a paisagem brasileira e não a européia, como disponibilizado por outros fabricantes. Aliada a essa questão, a vinda da empresa para Santa Maria permitirá que o suporte logístico possa ser feito no Brasil, reduzindo custos e tempo.

28 de jul de 2011

Correta utilização do lixo produzido nos Jogos Militares



A Comlurb recolheu quase 500 toneladas de lixo dos locais onde foram realizados os Jogos Mundiais Militares, que terminaram no domingo. Com o slogan "Jogue limpo pela paz", uma campanha incentivou os torcedores a manter a limpeza dos locais de competição. Com isso, foi possível separar quase 65 toneladas de materiais recicláveis que foram encaminhados para cooperativas de catadores. As mais de 200 toneladas de lixo orgânico produzidas nos restaurantes das três vilas dos atletas foram levadas para a Usina de Compostagem, no Caju, e serão transformadas em adubo orgânico.

25 de jul de 2011

18 de jul de 2011

Brasil é ouro quatro vezes

JOGOS MUNDIAIS MILITARES-Após suspensão por doping, Fabíola Molina sobe ao lugar mais alto do pódio no primeiro dia da natação.Fernando Silva, Tales Cerdeira e Gabriel Mangabeira também vencem. País ainda conquista duas pratas e um bronze

Cortada do Mundial de Xangai por causa de doping, Fabíola Molina conquistou, ontem, no Parque Aquático Maria Lenk, na Barra, a primeira medalha de ouro feminina do Brasil nos Jogos Mundiais Militares, nos 100m costas (1m01s00). A nadadora, de 36 anos, que havia cumprido dois meses de suspensão por uso do estimulante metilhexanamina, só soube na quinta-feira que poderia disputar a competição.
O primeiro a subir ao lugar mais alto do pódio, ontem, foi Fernando Silva. O nadador venceu os 50m livre, prova na qual Cesar Cielo é campeão olímpico e recordista mundial (20s91), com 22s83. O italiano Federico Bocchia ficou com a prata(23s03), e o suíço Erik Doren, com o bronze (23s14).
Hoje, estarão em jogo mais dez medalhas na natação. — Eu tinha que honrar de qualquer maneira essa tradição do Brasil nas provas de velocidade, ainda mais aqui dentro de casa — comemorou Silva.
Gabriel Mangabeira, nos 100m costas, também levou o ouro (55s30), assim como Tales Cerdeira, nos 200m peito (2m14s08). O Brasil ainda conquistou mais três medalhas: duas pratas, nos 800m livre, c o m J o a n n a M a r a n h ã o (8m39s68), e nos 200m peito, com Juliana Marin (2m36s81); e um bronze nos 50m livre, com Michelle Lenhardt (26s05).

Pelé é homenageado
No vôlei, o Brasil teve uma estreia arrasadora contra os Estados Unidos, no Maracanãzinho. A equipe feminina, liderada pela campeã olímpica Valeskinha, atropelou as americanas por 3 sets a 0 (25/4, 25/7 e 25/7). No masculino, o time, comandado pelo também campeão olímpico Anderson, despachou os adversários por 3 a 0 (25/13, 25/10 e 25/13). O nível técnico também foi baixíssimo no vôlei de praia. No feminino, a dupla Vanilda Leão/Angela Vieira derrotou Gunasinghe/ Gunawardana, do Sri Lanka, por 2 a 0 (21/3 e 21/5); e Rachel Nunes e Camila Fonseca bateram as americanas Arvidson/ Karwan por 2 a 0 (21/4 e 21/5). No masculino, Romano e F e r r e i r a d e s p a c h a r a m Khan/Riaz Khan, do Paquistão, por 2 a 0 (21/13 e 21/11); e a dupla Ferreiro/Pita derrotou os americanos Goings e Walden por 2 a 0 (21/11 e 21/13). No futebol, mais vitórias. No masculino, a seleção goleou o Suriname por 6 a 0. No feminino, a equipe derrotou a França por 4 a 1. A única derrota do Brasil nos esportes coletivos, ontem, foi no basquete masculino, que perdeu para a Lituânia por 65 a 61. Hoje, a equipe enfrenta a Itália. Ontem também foi dia de homenagens. Pelé, que no sábado da cerimônia de abertura, no Engenhão, acendeu a pira dos Jogos Mundiais Militares, recebeu a medalha Sérgio Vieira de Melo, da Academia Brasileira de Filosofia. A competição continua hoje, com as estreias do boxe, orientação, pentatlo naval e judô, este com duas medalhas em disputa.

17 de jul de 2011

Pelé acende a pira, e Dilma abre oficialmente os Jogos Militares

O gramado foi transformado em um telão. Sob um belo jogo de luzes, bailarinos e crianças representaram símbolos da paz e ressaltaram as riquezas do Brasil. A presidente Dilma Rousseff declarou abertos os Jogos Mundiais Militares e, enfim, Pelé acendeu a pira em forma de pomba, símbolo da paz, principal tema da noite. Aplaudido intensamente pelos 30 mil pagantes no Engenhão, o ex-soldado Nascimento, que serviu no fim da década de 50, recebeu a tocha e acendeu a pira, encerrando a cerimônia.

As bandas marciais deram o tom no início da noite, que começou com desfiles e apresentações de Exército, Marinha, Aeronáutica, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros. tocaram antes do Hino Nacional e, depois, durante todo o desfile das delegações.

O gramado, coberto por uma lona, foi transformado em um telão. Um enorme mapa mundi foi projetado, e os territórios de cada país ganhavam brilho quando os respectivos atletas entravam na pista. O longo desfile teve pouca manifestação popular. Além dos óbvios aplausos para a delegação brasileira, última a entrar no Engenhão, o público vaiou brevemente os integrantes argentinos. A delegação dos Estados Unidos foi vaiada, mas também ouviu aplausos.

Ao fim do desfile, o mapa deu lugar a bailarinos e alegorias, que junto com o jogo de luzes do estádio, compuseram diversos cenários que mostravam a riqueza das matas e da fauna brasileiras. Uma breve apresentação dos Paralamas do Sucesso, que tocaram "Tropa da Paz", o grande tema da noite deste sábado, no Rio de Janeiro.

Após o hasteamento da bandeira do Conselho Internacional do Esporte Militar (CISM), o Coronel Hamad Kalkaba Malboum, presidente do CISM, discursou e apresentou a chefe de estado brasileira. Dilma Rousseff não se alongou e resumiu-se a declarar a abertura dos Jogos.

- Boa noite a todos. Bem-vindos ao Brasil. Declaro aberta a quinta edição dos Jogos Mundiais Militares do Conselho Internacional do Esporte Militar. Desejo boa sorte a todos. Muito obrigada.

Toquinho, cantando "Aquarela", e Zizi Possi, com "A Paz", se apresentaram antes da entrada de Pelé, que foi aplaudido intensamente por todo o estádio. O Atleta do Século XX recebeu a tocha das mãos de Julio Almeida, do tiro esportivo, e subiu sem pressa os mais de 30 degraus até a pira em forma de pomba. Com ela acesa, fogos de artifício iluminaram o céu carioca. A marinheira Isabel Swan fez o juramento dos atletas, e o Sargento Fuzileiro Naval Marcelo de Lima Henrique, o dos árbitros

Enfim, as formalidades deram lugar ao samba, que tomou conta do palco. Primeiro, com Alcione. Depois, com Diogo Nogueira, Dudu Nobre e Jorge Aragão. Só às 21h, três horas depois do início da cerimônia, é que a festa acabou.

12 de jul de 2011

10 de jul de 2011

Fogo pesado

BRASÍLIA - Depois da queda de Antonio Palocci da Casa Civil e de Alfredo Nascimento dos Transportes, a presidente Dilma Roussef já se prepara para uma nova batalha: a do PR contra o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo.
Seria uma forma de atingir dois coelhos com uma rajada só e ricochetear no Planalto, já que Bernardo é marido e parceiro político de Gleisi Hoffmann, da Casa Civil.
O homem bomba dessa vez é Luiz Antonio Pagot, que dirigia o Dnit, departamento que cuida de obras e define de onde vem e para onde vai a dinheirama dos Transportes. Ele despencou com a cúpula do ministério, suspeita de propinas, superfaturamento e desvios para empresas, inclusive a do filho-prodígio do próprio ministro.
Pagot tem subido de tom a cada dia e a cada nova entrevista. Sua melhor chance de trincar cristais será na próxima terça, quando depõe no Congresso. Ao que tudo indica, vai tentar tirar a responsabilidade do próprio ombro para jogar no de Bernardo. Na versão de Pagot, era ele, Bernardo, quem comandava reuniões com empreiteiras para discutir obras, verbas...
Já que o mensalão está de volta com o parecer do procurador geral da República, Roberto Gurgel, pedindo a condenação de 36 implicados, impõe-se uma comparação: Pagot está ensaiando para ser um novo Roberto Jefferson, que detonou o esquema, carimbando duas fases tanto do governo Lula quanto do PT: o antes e o depois do mensalão. Resta saber se ele tem bala na agulha, como Jefferson tinha.
Para quem alega que Pagot não tem credibilidade nenhuma, vale lembrar que se dizia o mesmo de Roberto Jefferson à época. E deu no que deu -e ainda está dando.
Há, porém, uma diferença importante. Enquanto Jefferson foi um franco atirador, Pagot parece ser a linha de frente de um exército -o PR. A artilharia pode ser pesada, e Dilma deve estar preparada e armada para o contra-ataque.

6 de jul de 2011

Hackers, parabéns

clip_image001

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Carlos Verezza (Ator da Rede Globo de Televisão)

Queridos Hackers que invadiram os sites do "governo", parabéns!

Na esperança que um de vocês leia meu blog, torço para que não apenas acessem, mas divulguem para o Brasil e o mundo as falcatruas, tráficos de influência, obras superfaturadas, enfim, divulguem e façam uma campanha contra o maior esquema de corrupção jamais visto neste país!
Pode ser o começo de uma reação à essa quadrilha que mantém o povo alienado com bolsas-anestesias, e saqueiam esta nação com uma avidez despreocupada com punições!
Não passa uma semana sem que surjam escândalos ligados ao "partido da ética e da moralidade na política!", Trinta e oito ministérios para "empregar" os capangas ,que, ou perderam eleições, ou precisam de uma "boquinha...
Denunciem a cooptação de todos os poderes, a evidente falta de governabilidade, com o palanqueiro Lula mantendo em verdade um governo paralelo!
Não esmoreçam! Enviem denúncias para o Tribunal de Haya, sobre os constantes assassinatos de líderes rurais; o abandono das populações indígenas...Enfim, vocês sabem melhor do que eu o caminho da sagrada indignação a ser tomado!
Convoquem marchas de protesto em todo o país! Vocês possuem o domínio de uma tecnologia que pode arrancar o povo e os poucos intelectuais honestos, de uma letargia que termina por ser cúmplice da roubalheira generalizada!
Estamos juntos

Fonte:

http://carlosverezablog.blogspot.com/2011/06/parabens-hackers.html


Ponte sobre o Rio Guaíba custará cinco vezes mais que maior ponte do mundo sobre o mar, na China

Camisa de força – Queiram ou não os políticos, o Brasil é o paraíso da corrupção e das obras superfaturadas. Como se não bastassem os aditivos contratuais que vilipendiam o bolso do contribuinte e colocam sob suspeita nove em cada dez obras públicas, no Brasil os custos pagos pelo Estado para conceber qualquer edificação são criminosamente absurdos.

Como se sabe, a única porta de entrada e saída de Porto Alegre é a ponte sobre o Rio Guaíba. Dota de uma parte móvel, que é alçada por cabos para permitir a passagem de navios, a ponte, que integra a BR-290, vez por outra tem problemas técnicos no sistema elevatório. Há muito desgastado e merecedor de manutenção quase inócua, o equipamento muitas vezes trava, provocando intermináveis congestionamentos na bela capital gaúcha.

Durante a corrida presidencial de 2010, a então candidata do PT, Dilma Vana Rousseff, prometeu na terra de chimangos e maragatos a construção de uma nova ponte, como forma de evitar transtornos, os quais podem, em caso de pane do equipamento elevatório, causar um congestionamento de navios.

Há dias, do outro lado do mundo, lá na terra da Grande Muralha, os chineses inauguraram uma ponte de 42 km sobre a Baía de Jiazhou, ligando a cidade litorânea de Qingdao ao subúrbio de Huangdao. A tal ponte, cuja inauguração fará parte das comemorações do 90º aniversário do Partido Comunista Chinês, é a maior do mundo sobre águas marítimas. A majestosa obra demorou quatro anos para ser concluída e custou aos cofres chineses US$ 2,3 bilhões, o que equivale aproximadamente a R$ 3,59 bilhões.

A nova ponte sobre o Rio Guaíba, de 2,9 km, tem orçamento inicial de R$ 1,16 bilhão e demorará quatro anos para ser finalizada. Comparando os números das duas obras é possível perceber que a ponte chinesa, que exigiu maiores investimentos por conta da adversidade da obra, custou R$ 85,4 milhões por quilômetro, enquanto a sobre o Rio Guaíba custará R$ 400 milhões por quilômetro, ou seja, quase cinco vezes mais.

Em termos de tempo as duas obras se equivalem, mas consideradas as extensões das duas pontes, a versão brasileira demorará quinze vezes mais para ser concluída. Em ritmo chinês, a ponte sobre o Rio Guaíba demoraria 102 dias para ser erguida, sendo que o custo da obra seria de R$ 247,6 milhões, não R$ 1,16 bilhão como previsto. A obra está sob a responsabilidade do Ministério dos Transportes, cuja cúpula, acusada de corrupção, foi demitida pelo ministro Alfredo Nascimento (PR-AM) a mando da presidente Dilma Rousseff.

Nada ortodoxo em termos de probidade, tal cenário pode ser o ingrediente faltante para Dilma Rousseff decidir pela demissão de Alfredo Nascimento, que alegou desconhecer a cobrança de 4% de pedágio em todas as obras da sua pasta.

Fonte:

http://ucho.info/ponte-sobre-o-rio-guaiba-custara-cinco-vezes-mais-que-maior-ponte-do-mundo-sobre-o-mar-na-china

4 de jul de 2011

Soberania no tapete verde

Ninguém, em sã consciência, é contra a realização da Copa das Confederações, da Copa do Mundo e das Olimpíadas no Brasil. Mas que cidadão, com essa mesma sã consciência, vai abrir mão da soberania e das leis de seu país em nome de uma competição esportiva, por mais importante que seja?
Não obstante, o governo brasileiro editou a Medida Provisória 527, criando o Regime Diferenciado de Contratações (RDC) para as obras dos megaestádios que irão sediar os jogos. A sutileza da MP está em desfigurar a Lei de Licitações (nº 8.666), dando liberdade ao Estado para manter sob sigilo as informações repassadas aos órgãos de controle - em especial o Tribunal de Contas da União - acerca dos contratos firmados com as empreiteiras. Tudo em nome da celeridade e para não comprometer o calendário de obras, que já anda atrasado.
Como querem a poderosa Federação Internacional de Futebol (Fifa) e o não menos poderoso Comitê Olímpico Internacional (COI), quanto mais distância da sociedade organizada nesses assuntos, melhor. E ainda declara a presidente Dilma Rousseff, para confortar os anfitriões, que está tudo combinado com o TCU.
Usando-se a metáfora do futebol, "combinar o jogo" com o adversário é, no mínimo, humilhante. A menos, claro, que se revogue a Lei 8.666 e se aplique a lei do sigilo eterno dos documentos secretos também nesse caso. De uma forma ou de outra, a História nos ensina que cedo ou tarde a verdade vem à tona.
Do ponto de vista técnico-jurídico, a Medida Provisória apresenta lacunas ainda não preenchidas. É difícil imaginar o RDC restrito às obras esportivas, quando são necessárias outras frentes para corrigir as deficiências em saneamento básico, transporte e mobilidade urbana das cidades-sede.
Já o orçamento oculto, previsto no art. 8º (obras e serviços de engenharia), é por si só um terreno fértil para questionamentos sobre publicidade e igualdade de condições entre os concorrentes (art. 37, XXI da Constituição Federal). É esse princípio que, pelo menos em tese, evita o risco de informação "privilegiada".
O que está em jogo, afinal, é a grande obra de engenharia social chamada soberania, que o governo reivindicou, por exemplo, quando negou a extradição do ex-guerrilheiro Cesare Battisti à Itália. Agora, no entanto, a palavra parece ter entrado em desuso nos diálogos em que os referidos organismos esportivos procuram impor suas próprias leis, não importa quais leis seus anfitriões possuam.
Ao longo de sua história, o Brasil baixou a cabeça para a banca internacional e submeteu parte da soberania ao FMI em momentos de triste memória. Será justo naquilo que ele tem de melhor, e não por menos exibe no peito cinco estrelas de campeão, que vai ceder tão dócil? Esperamos que não.
OPHIR CAVALCANTE é presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

1 de jul de 2011

General evita rachas e diz que Chávez está no comando

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, segue no comando do país e de suas forças militares, afirmou nesta sexta-feira (01) o general Henry Rangel Silva, chefe do Comando Estratégico Operacional das Forças Armadas. Ele acrescentou que o presidente também retornará à Venezuela em breve e que os militares seguirão garantindo o respeito à Constituição. Sua declaração foi feita um dia após Chávez admitir que realizou uma cirurgia para retirada de tumor e que segue em recuperação em Cuba, sem dar mais detalhes sobre seu diagnóstico.

Em um esforço das autoridades venezuelanas para evitar rachas no partido governista, dominado por Chávez há mais de uma década, Rangel afirmou que algumas pessoas "fingem" que o presidente deixará o poder. "Nós não podemos cair nesse jogo". Rangel rejeitou as "notícias alarmistas" e alegou que o presidente se recupera "satisfatoriamente".

Os comentários de Chávez encerraram quase três semanas de especulação sobre a gravidade da saúde do presidente. Ele estava fora da arena pública desde 10 de junho, quando submeteu-se a um tratamento em Cuba sob grande sigilo. Anteriormente, Caracas informava apenas que Chávez se recuperava de uma cirurgia para a retirada de um abscesso pélvico.

Líderes governistas falaram à população imediatamente após o discurso de Chávez, para garantir que o país não terá nenhuma mudança nas políticas socialistas conduzidas pelo presidente, que está no poder desde 1999. Ainda assim, alguns analistas dizem que a incerteza em torno do futuro de Chávez pode gerar divisões no movimento chavista, já que não há um sucessor óbvio no Partido Socialista Unido de Venezuela (PSUV).

As novidades podem "abrir um período de incerteza social e política sem precedentes na Venezuela", afirmou o economista Alberto Ramos, do Goldman Sachs, em nota a investidores. Há chances de "fricções significativas" entre líderes, sobretudo entre as alas mais dogmáticas e mais pragmáticas do PSUV, segundo Ramos. "O tabuleiro político pode passar por uma sucessão rápida de movimentos potencialmente políticos e socialmente ruidosos nos próximos meses", avaliou o analista.

As incríveis imagens do tsunami de dentro de um carro. É a força da natureza em ação


É incrível a força da natureza.

Uma emissora de televisão japonesa conseguiu um vídeo e divulgou as imagens com exclusividade.

O vídeo mostra a chegada do tsunami vista no interior de um carro.

As imagens são incríveis e mostram até o terremoto que antecede a onda gigante.