29 de nov de 2009

Vídeo mostra governador do DF recebendo dinheiro


São cinco DVDs, entre os quais um que mostra o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM), recebendo dinheiro. O vídeo foi feito pelo então presidente da Codeplan (empresa do DF),

Vídeo flagra presidente da Câmara do DF guardando dinheiro na meia


Imagens que teriam sido gravadas em 2006 mostram o presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal, Leonardo Prudente, recebendo dinheiro do então presidente da Codeplan (empresa do DF),

Vídeo flagra corregedor recebendo dinheiro - dentro da Camara Municipal Brasilia


BRASÍLIA - O deputado distrital Rubens César Brunelli Júnior (PSC), atual corregedor da Câmara Legislativa do Distrito Federal, também foi flagrado em vídeo obtido em primeira mão pelo iG

Novo Partido Político (PRP)

Repasso aos amigos para análise, dados do novo Partido Político (PRP), do qual o Cel Sparta é o Presidente no Rio Grande do Sul. É um Partido de apoio dos militares e simpatizantes.....

Caro Camarada

"...Há aqueles que buscam construir a fartura e semear a esperança para conquistar vitórias. São os arautos do trabalho, da responsabilidade, da solidariedade, os defensores da Pátria."

O recém registrado Partido Republicano Progressista (PRP-RS 44) no Rio Grande do Sul, está mobilizando pessoas de bem para integrar seu quadro de filiados.

Gostaríamos de contar com a sua adesão e participação. A nossa disposição é de luta e a nossa crença é nos valores e ideais sedimentados ao longo de nossas vidas. Junte-se a nós!

1. Visite e divulgue nosso Blog - http://republicano-rs.blogspot.com/

2. Para filiar-se, preencha a Ficha de Filiação -
Email - prp44rs@gamil.com

3. Convide um amigo.

Um grande abraço, Sergio Sparta

OBS. Veja no Blog do MOVA-RS o vídeo do encontro da 3ª DE em Santa Maria (link)

"A punição que os bons sofrem, quando se recusam a tomar parte do governo, é viver sob o governo dos maus". Platão

Filiação Partidária:
https://acrobat.com/#d=XNcEkqD51XXqDVRHroLxNg
http://www.prp.org.br/

SPONHOLZ - JORNAL DA MANHÃ

>SAMUCA - DIÁRIO DE PERNAMBUCO
SINOVALDO - JORNAL NH

28 de nov de 2009

PEDIDO DE DISPENSA DO SERVIÇO MILITAR

Tentem acompanhar o raciocínio!
Eis o pedido:

'Prezado Oficial Militar,
Venho por intermédio desta pedir a minha dispensa do serviço militar.
A razão para isto é bastante complexa e tentarei explicar em detalhes.
Meu pai e eu moramos juntos e possuímos um rádio e uma televisão.
Meu pai é viúvo e eu solteiro.
No andar de baixo, moram uma viúva e sua filha, ambas muito bonitas e sem rádio e nem televisão.
O rádio e a televisão fizeram com que nossas famílias ficassem mais próximas.
Eu me apaixonei pela viúva e casei com ela.

Meu pai se apaixonou pela filha e também se casou com esta.
Neste momento, começou a confusão.
A filha da minha esposa, a qual casou com o meu pai, é agora a minha madrasta.
Ao mesmo tempo, porque eu casei com a mãe, a filha dela também é minha filha (enteada).
Além disso, meu pai se tornou o genro da minha esposa, que por sua vez é sua sogra.
A minha esposa ganhou recentemente um filho, que é irmão da minha madrasta.
Portanto, a minha madrasta também é a avó do meu filho, além de ser seu irmão.

A jovem esposa do meu pai é minha mãe (madrasta), e o seu filho ficou sendo o meu irmão.
Meu filho é então o tio do meu neto, porque o meu filho é irmão de minha filha (enteada).
Eu sou, como marido de sua avó, seu avô. Portanto sou o avô de meu irmão.

Mas como o avô do meu irmão também é o meu avô, conclui-se que eu sou o avô de mim mesmo!!! Portanto, Senhor Oficial, eu peço dispensa do serviço militar baseado no fato de que a lei não permite que avô, pai e filho sirvam ao mesmo tempo.
Se o Senhor tiver qualquer dúvida releia o texto várias vezes (ou tente desenhar um gráfico) para constatar que o meu argumento realmente verdadeiro e correto.

Ass. Avô, pai e filho.

Conclusão: O Rapaz foi dispensado - fato verídico

27 de nov de 2009

Fonte do Planalto nega suposta conversa de Lula sobre estupro

Laryssa Borges
Direto de Brasília

Uma fonte do Palácio do Planalto afirmou ao Terra que é uma "inverdade" o episódio narrado em um artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo segundo o qual o presidente Luiz Inácio Lula da Silva teria tentado estuprar um colega de cela mais novo, quando esteve preso em 1980. Pessoas ligadas ao presidente classificaram as afirmações do autor do artigo, César Benjamin, como "absurdas" e "nojentas". Oficialmente, a Presidência da República não comentou o caso.

O artigo de Benjamin, que militou no movimento estudantil e ajudou a fundar o PT, afirma que Lula disse ter tentado "subjugar" colega de cela mais novo quando ficou preso por cerca de um mês. O texto narra uma conversa que o autor diz ter tido com o então candidato à Presidência da República, em 1994.

Benjamin afirma que Lula perguntou quanto tempo teria ficado preso durante a ditadura militar. Surpreendido com a resposta de que o autor passou "alguns anos na prisão", o presidente teria dito: "Eu não aguentaria. Não vivo sem b...".

Segundo o artigo, a vítima era conhecida por "menino do MEP", em referência a uma extinta organização de esquerda. Benjamin afirma que Lula teria ficado surpreso com a resistência do "menino", "que frustrara a investida com cotoveladas e socos". Segundo o autor do artigo, estavam na mesa da conversa o publicitário Paulo de Tarso e o segurança de Lula.

Leia mais:

http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/dias-sordidos/

http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/uma-entrevista-de-cesar-benjamin/

Ouça publicidade de papel higiênico que imita "Lula" e "Dilma"

27/11/2009 - 02h32
ANA FLOR

da Folha de S.Paulo


Uma publicidade de papel higiênico que começou a ser veiculada ontem imita a voz do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da ministra Dilma Rousseff (Casa Civil).

No spot, uma voz semelhante à de Lula, inclusive com bordões como "nunca antes na história desse país", chama "a ministra" para apresentar o "'pack' que vai trazer mais economia para os brasileiros".

A "ministra" grita: 'Alfredo' nome de um mordomo, personagem que se tornou célebre em propagandas da marca de papel higiênico (Neve). A voz vem de longe, indicando que "Dilma" está no banheiro.

O falso Lula, então, brinca, ao afirmar que "a ministra está em conferência com o Alfredo", e apresenta sozinho o produto: uma embalagem (pack, em inglês) econômica, com 16 rolos.

http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u658013.shtml

26 de nov de 2009

Lula e Obama 'entram em colisão por crise em Honduras', diz 'El País'

Relação Brasil-EUA começou bem, mas já despontam divergências

Uma reportagem publicada no site do jornal espanhol El País afirma que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mais conhecido por seu tom “conciliador”, está “entrando em colisão” com o presidente americano, Barack Obama, por causa da crise hondurenha.

A matéria avalia as divergência entre as posições de Obama, que diz que não aceitará o resultado das eleições hondurenhas no próximo fim-de-semana, e Lula, que não o fará porque o presidente deposto, Manuel Zelaya, não foi restituído ao cargo.

“É a primeira vez que Obama e Lula se enfrentam publicamente”; observa um correspondente do jornal no Brasil. “Os dois líderes mundiais com maior peso popular se encontram em posições difíceis de conciliar.”

Embora considere improvável que as divergências tenham alguma consequência mais grave, o El País avalia que “esta pode ser a primeira vez que Lula se veja contra as cordas em um conflito internacional, ele que tem sido considerado um grande conciliador”.

Desde que chegou ao poder, Obama tem reiteradamente enviado sinais positivos para o governo Lula, que muitos chegaram a ver como um possível ‘mediador informal’ entre os Estados Unidos e os países latino-americanos.

Recentemente, no entanto, as duas agendas têm se mostrado díspares e têm surgido o que o El País chama de “pontos de fricção” em temas como a crise hondurenha, a questão climática e a recepção oferecida por Brasília ao presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, na segunda-feira.

“Agora que Obama tomou uma decisão definitiva (sobre Honduras) e a comunicou a Lula, o presidente brasileiro vai necessitar de toda sua intuição para sair do atoleiro sem se enfrentar com Washington”, avalia o jornal.

“A solução só poderia vir de Zelaya, aceitando sair de cena em um gesto de generosidade para contribuir a devolver a paz ao país. A dúvida é se Lula será capaz de convencê-lo.”

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2009/11/091126_lulaobama_press_pu.shtml

Marchan hondureños en apoyo a elecciones y rechazan a Chávez y Lula

Saúl Ortega/ntrzacatecas.com

Miércoles 25 de Noviembre de 2009

Tegucigalpa, Hon.- Unos cien mil hondureños marcharon hoy en Tegucigalpa en apoyo a los comicios del domingo y condenaron a los presidentes de Venezuela, Hugo Chávez, y de Brasil, Luiz Inacio “Lula” Da Silva, por intervenir en asuntos internos de este país.

La marcha, promovida por la Unión Cívica Democrática (UDC), salió de Torre Libertad, donde esta madrugada estalló un artefacto, y recorrió las principales calles capitalinas para exigir castigo para quienes pretendan boicotear las elecciones generales del domingo.

Los manifestantes se solidarizaron con el periodista Rodrigo Wong Arévalo, director del noticiero Abriendo Brecha del canal 10 de la televisión local, donde esta madrugada también estalló un explosivo sin causar daños a personas.

“Con esta marcha repudiamos al sátrapa del sur, Hugo Chávez, así como a Lula Da Silva, por metido, abusivo y sinverguenza porque se ha convertido en un lacayo de Chávez”, dijo en la marcha, Jorge Yescas, conocido economista y dirigente de la Unión Cívica.

“Honduras no es de Chávez”, señalan en carteles los manifestantes que acusan al presidente de Venezuela de meter sus manos en este país, en especial en el financiamiento económico para las protestas que realizan en apoyo al derrocado presidente Manuel Zelaya.

Desde la embajada de Brasil, donde permanece el depuesto presidente Zelaya, ha llamado a la población a no emitir su voto, al considerar que al no restituirlo en el poder los comicios del domingo son ilegales.

http://ntrzacatecas.com/noticias/mundo/2009/11/25/marchan-hondurenos-en-apoyo-a-elecciones-y-rechazan-a-chavez-y-lula/

24 de nov de 2009

FAB dá carona a filho de Lula e mais 15

KÁTIA BRASIL
da Agência Folha, em Manaus

Faltando dez minutos para pousar no aeroporto internacional de Brasília no dia 9 de outubro, uma sexta-feira, o Boeing 737 de prefixo 2116, da FAB (Força Aérea Brasileira), teve de mudar de itinerário e retornar a São Paulo para buscar novos passageiros: o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, e o empresário Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, com 15 acompanhantes. Meirelles afirma, por meio de sua assessoria, que solicitou o avião para transportá-lo de São Paulo para Brasília e que apenas no momento do embarque soube que, "por solicitação da Presidência", o filho de Lula e mais 15 pessoas "aproveitariam o voo da aeronave colocada à disposição do BC". A viagem do Boeing começou em Gavião Peixoto (SP), levando a Brasília militares a serviço da Aeronáutica. Eram 17h, já perto da capital federal, quando o comandante recebeu ordem de voltar a São Paulo. O Boeing voltou e pousou às 19h em Guarulhos, onde foi abastecido. O comandante recebeu nova ordem: os passageiros embarcariam em Congonhas, não em Guarulhos. O Sucatinha partiu de Guarulhos às 20h30. Como já havia sido abastecida, a aeronave teve que ficar voando por uma hora para gastar combustível e ingressar nas condições de pouso em Congonhas, onde aterrissou às 21h30. Os militares foram deslocados para a parte traseira, para que os novos passageiros embarcassem. A decolagem foi às 23h. O avião chegou a Brasília uma hora e 40 minutos depois. O presidente do BC diz que não sabia o itinerário anterior do avião, deslocado para atender a sua chamada quando estava para pousar em Brasília. O Boeing, conhecido como Sucatinha, faz o transporte aéreo do vice-presidente da República, dos presidentes do Senado, da Câmara ou do STF, de ministros ou ocupantes de cargo com status de ministro (como Meirelles) e de comandantes das Forças Armadas. Segundo a regra que regulamenta o uso da aeronave, as autoridades que solicitarem o uso do avião devem informar à Aeronáutica "a quantidade de pessoas que eventualmente as acompanharão". O decreto diz ainda que "o transporte de autoridades civis em desrespeito ao estabelecido" no texto "configura infração administrativa grave".

Outro lado

A assessoria do Banco Central diz que Meirelles solicitou a aeronave da FAB apenas para ele e um assessor. A assessoria de imprensa da Presidência da República afirma que os passageiros, incluindo Lulinha, eram convidados do presidente Lula: "É normal o presidente da República convidar pessoas para se encontrar com ele em Brasília e oferecer transporte pelas aeronaves que servem a Presidência da República". Lulinha não foi localizado para comentar o caso. A assessoria da Presidência afirma que não fornece informações sobre familiares de Lula. A Presidência, o BC e a FAB não forneceram a lista de passageiros solicitada pela Folha. O tenente-coronel Henry Wender, assessor da FAB, afirma que, como o Boeing estava à disposição da Presidência, a FAB não tem controle de lista de passageiros e de itinerário.

22 de nov de 2009

Miss Earth 2009 Greets Missosology





AMÂNCIO - TRIBUNA DO NORTE



SPONHOLZ - CHARGE ONLINE

21 de nov de 2009

Porque não me Ufano de meu País - O povo adora falsas zebras

O presidente da República, tomado de transbordante euforia por conta da escolha do Brasil para sediar a Olimpíada de 2026, disse no encerramento do Seminário Empresarial Brasil/União Européia que: “depois de décadas de auto-estima jogada para baixo, os brasileiros aprenderam gostar de ser brasileiros”.
Apesar de seu alto cargo o senhor Lula da Silva não pode falar por mim, não está autorizado a tanto. Exatamente por conta dele e de seu mandarinato formado pelos companheiros de governo, hoje em dia não gosto de ser brasileira.
É inegável que progredimos em vários aspectos. Muito mais pela iniciativa particular do que pelo avassalador, incompetente e corrupto Estado. Mas não evoluímos tanto quanto poderíamos. Isto está provado pelo crescimento pífio mesmo nos tempos de bonança da economia mundial. Continuamos em vergonhoso 75º lugar no índice de Desenvolvimento Humano e ocupamos a 81ª colocação no índice de expectativa de vida.
Temos tudo para ser o país do futuro, mas nossa mentalidade nos deixa muito aquém do lema de nossa bandeira: “Ordem e Progresso”. Aliás, a desordem vem se acentuando se levarmos em conta a violência urbana. Se houvesse modalidade olímpica de mortes em acidentes de trânsito ganharíamos fácil medalha de ouro, pois já somos recordistas mundiais nesse “esporte” onde a maioria que faz do seu carro uma arma parece estar sempre bêbada. Quanto ao terrorismo do MST faz lembrar o “estado de natureza” onde “não há meu nem seu, mas o que eu puder tomar, pelo tempo que puder conservar”. O último espetáculo do “pacífico movimento social” na Fazenda Santo Henrique, da empresa Cutrale, no interior de São Paulo, ocorrida em 28 de setembro, redundou na destruição de milhares de pés de laranja, de 28 tratores, da sede da fazenda, além de furto de equipamentos, defensivos e pertences de famílias de colonos que foram expulsas da propriedade pelos “coitadinhos” dos chamados sem-terra. Devido à má repercussão o presidente da República chegou a falar em vandalismo dos companheiros do MST. Quanto cinismo! O governo financia os baderneiros com milhões de reais e o paternal Lula já envergou o boné do movimento que age com requintes de bandidos.
Para piorar, pode-se dizer que a mais alta instância do Poder Judiciário, o STF, acabou quando Lula da Silva emplacou seu oitavo ministro com a complacência do subserviente Senado. E o jovem Toffoli, ao que tudo indica uma nulidade jurídica, cujo currículo tem como ponto alto a amizade do poderosíssimo José Dirceu, afirmou em entrevista à Folha de S. Paulo (04/10/2009) algo que no mínimo dá o que pensar. Interpretando as palavras de Jesus sobre o sábado ser feito para o homem e não o homem para o sábado, concluiu que “a lei é o parâmetro, mas ela leva em conta ao ser aplicada, o homem, o ser, a vida”. Para regozijo do terrorista Cesare Battisti, seria o companheiro ministro adepto do Direito Alternativo? O tempo dirá.
Nem Copa do Mundo, nem Olimpíada, vão fazer de mim uma ufanista enquanto a Educação, que leva em conta a quantidade e não a qualidade, fabricar analfabetos funcionais, despreparados para o mercado de trabalho, iludidos do faz-de-conta educacional das escolas que emburrecem em vez de ensinar. A continuar assim estaremos longe de ser a “quinta ou sexta economia do mundo”, como profetizou num lance de propaganda, o presidente da República. Tampouco vou me orgulhar do Brasil enquanto a Saúde não sair do caos em que se encontra para a grande massa de eleitores do pai Lula, justamente os que não podem pagar um plano para se tratar adequadamente.
Morro também de vergonha de ser brasileira ao observar nossa política externa, omissa quando se trata de países que desrespeitam direitos humanos, bajuladora de ditadores da pior espécie, que aceitou a interferência militar de Evo Morales nas instalações da Petrobrás e a expropriação da empresa em terras bolivianas, que se sujeitou ao bispo Lugo ao aceitar pagar mais pelo excedente de energia produzido pela Hidrelétrica de Itaipu, que exalta os déspotas Fidel Castro e Hugo Chávez como democratas, mas que intervém vergonhosa e covardemente em Honduras para respaldar mais um agente de Chávez, transformando nossa embaixada em comitê do falastrão Manuel Zelaya.
Li que tendo morrido em Gaza um casal de zebras, o dono do zoológico, para se ressarcir do prejuízo, resolveu pintar dois burros de branco com listas negras. Foi um sucesso de público. Pois bem, Lula dá ao povo as falsas zebras da Copa e da Olimpíada, enquanto os sérios problemas da Saúde, da Educação, da infra-estrutura, da violência, da impunidade nos mantém no ilusionismo cínico da propaganda governamental. É certo que como ocorre com Berlusconi, nada abalará o prestígio de Lula da Silva. O povo adora falsas zebras. Mas, por essas e por outras, estou bem longe de me ufanar pelo meu país. Maria Lúcia Victor BarbosaGraduada em Sociologia e Política e Administração Pública pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e especialista em Ciência Política pela UnB. É professora da Universidade Estadual de Londrina/PR. Articulista de vários jornais e sites brasileiros. É membro da Academia de Ciências, Artes e Letras de Londrina e premiada na área acadêmica com trabalhos como "Breve Ensaio sobre o Poder" e "A Favor de Nicolau Maquiavel Florentino". Criadora do Departamento de Desenvolvimento Social em sua passagem pela Companhia de Habitação de Londrina. É autora de obras como "O Voto da Pobreza e a Pobreza do Voto: A Ética da Malandragem" e "América Latina: Em Busca do Paraíso Perdido".
Site: http://www.maluvibar.blogspot.com/ E-mail: mlucia@sercomtel.com.br

Professora da PUC - RS

Parabéns à professora pela sua presença de espírito.
Aconteceu na PUC-RS:
Uma professora universitária estava acabando de dar as últimas orientações para os alunos acerca da prova final que ocorreria no dia seguinte.
Finalizou alertando que não haveria desculpas para a falta de nenhum aluno, com exceção de um grave ferimento, doença ou a morte de algum parente próximo.
Um engraçadinho que sentava no fundo da classe, perguntou com aquele velho ar de cinismo:
- Dentre esses motivos justificados, podemos incluir o de extremo cansaço por atividade sexual???
A classe explodiu em gargalhadas, com a professora aguardando pacientemente que o silêncio fosse restabelecido.
Tão logo isso ocorreu, ela olhou para o palhaço e respondeu:
- Isto não é um motivo justificado. Como a prova será em forma de múltipla escolha, é apenas assinalar um X, você pode vir para a classe e escrever com a outra mão... ou, se não puder sentar-se, poderá respondê-la em pé.
(Fato Verídico)

20 de nov de 2009

Tradutor desenvolvido pelo Google Translate


Fácil de usar. Tradutor desenvolvido pelo Google Translate.
Você vai escrevendo, ele detecta o idioma e automaticamente traduz. Acredito que vale a pena tê-lo nos seus Favoritos
http://tradukka.com/

18 de nov de 2009

MEC repassa mais de R$ 1,2 milhão ao Ministério da Defesa para garantir segurança do Enem

O MEC (Ministério da Educação) vai repassar mais de R$ 1,2 milhão ao Ministério da Defesa para garantir a segurança da prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), que será realizada nos dias 5 e 6 de dezembro, de acordo com publicação do "Diário Oficial da União" desta quarta-feira. Após o vazamento, a nova prova do Enem vai custar aos cofres públicos mais de R$ 133 milhões.
O valor de R$ 1.264.479,10 será destinado para as unidades de armazenamento da prova e escolta do comboio da avaliação até os locais do exame.
Segundo o texto, os saldos orçamentários que não forem utilizados devem ser devolvido em até 30 dias, ou obrigatoriamente até o dia 31 de dezembro deste ano.
Apenas a aplicação da prova custará R$ 99,9 milhões. O contrato foi assinado pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) e pelo contrato formado pela FUB/ Cespe e Cesgranrio.
Já o contrato fechado com a gráfica RR Donnelley Moore serão pagos mais R$ 31,9 milhões. A empresa será responsável pela impressão, manuseio, embalagem, rotulagem e entrega dos cadernos das provas para os Correios. A contratação da empresa aconteceu sem licitação. O texto afirma que o Inep "pesquisou o mercado em busca de gráficas com a certificação, necessária que pudesse executar integralmente o objeto".
Reformulado neste ano, o Enem será a única forma de seleção em parte das 55 universidades federais. O exame é usado por federais também para substituir a primeira fase do vestibular, para compor a nota e nas vagas que sobrarem.
Devido ao adiamento, universidades como a USP, Unicamp, PUC Campinas e São Paulo decidiram não utilizar a nota do Enem em seu vestibular. Já outras instituições decidiram alterar seus calendários que tinham as datas dos vestibulares no mesmo dia da prova do Enem.
Fraude
Após a fraude, o Ministério da Educação rompeu o contrato com o consórcio Connasel, responsável pela aplicação do exame. Mas a empresa negou falhas na segurança. Cinco pessoas foram indiciadas pelo crime, entre eles estão Felipe Pradella, Felipe Ribeiro e Marcelo Sena --funcionários da Cetro, uma das três empresas que compõem o consórcio.
A licitação foi fechada em R$ 116 milhões, e, segundo o ministério, já haviam sido pagos R$ 35 milhões. A prova do Enem deveria ter ocorrido nos dias 3 e 4 de outubro, mas foi adiada para os dias 5 e 6 de dezembro após a denúncia de vazamento do conteúdo.

17 de nov de 2009

Primeira-dama e ministros vão a lançamento de filme sobre Lula

O lançamento do filme “Lula, filho do Brasil” (assista ao trailer) nesta terça-feira (17) em Brasília contou com a presença da primeira-dama, Marisa Letícia, dos ministros do Planejamento, Paulo Bernardo, da Educação, Fernando Haddad, dos Esportes, Orlando Silva, e do Trabalho, Carlos Lupi. O filme leva às telas a biografia do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva. O lançamento foi em uma sessão de gala no Teatro Nacional Claudio Santoro somente para convidados e a imprensa credenciada.
Paulo Bernardo afirmou que assistiu a uma versão do filme, quando ainda estava em produção, e se emocionou muito. “Assisti a uma versão do filme quando a trilha sonora não estava pronta. É muito bonito, é emocionante, acho que vocês vão chorar," disse. Sobre as acusações da oposição de que o filme é eleitoreiro por estrear um ano antes das eleições de 2010, Bernardo lembrou que Lula não é candidato e desafiou a oposição a fazer um filme sobre “outras personalidades”. “A oposição não está impedida de fazer um filme, que eles encontrem [um personagem] e façam um”, disse.
O presidente da CUT, Arthur Henrique, no entanto, acredita que o filme possa ter influência nas eleições. “É uma história de vida de impacto, que pode provocar alguma influência nas eleições de 2010.”O presidente do PT, deputado Ricardo Berzoini (SP), disse que “o povo sabe diferenciar um filme de uma escolha eleitoral”. “O filme é sobre a vida de um brasileiro, que como outros venceu a seca e fez história”, afirmou.
O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, também compareceu ao lançamento. Questionado se a biografia da ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) seria tão rica quanto a do presidente Lula, ele afirmou que Dilma tem sua própria história e passado para contar.
É uma história de vida de impacto, que pode provocar alguma influência nas eleições de 2010
O ministro de Esportes, Orlando Silva, disse que esperava se emocionar durante o filme e afirmou que a exibição não tinha “nada de tititi político”. “O que vale é o cinema brasileiro, que tem uma boa história para contar.” Os atores que interpretam os principais personagens do filme também compareceram à pré-estreia em Brasília. Glória Pires (que faz a mãe de Lula), Cléo Pires (no papel da primeira mulher do presidente), Rui Ricardo Dias (que interpreta Lula) e Juliana Baroni (que faz a primeira-dama, Marisa Letícia) também foram questionados a respeito do filme influenciar as eleições presidenciais de 2010.
O filme é sobre a vida de um brasileiro, que como outros venceu a seca e fez história
Eles responderam que não é um filme político, a obra tem como objetivo contar a história de vida de Lula, cheia de emoção, sofrimento e drama e, por isso, não deve influenciar as eleições.
Nenhum deles teve contato com os personagens que interpretaram. "Foi uma opção do diretor", disse Glória Pires. Os atores estudaram os personagens tendo como base o livro que traz a biografia de Lula escrito por Denise Paraná e ensaiaram em lugares reais em que Lula atuou em sua vida como o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC.
Superlotação e Battisti
Às 21h05, o produtor do filme, Luis Carlos Barreto, subiu ao palco para reclamar da superlotação do teatro. "É um absurdo, os atores do filme não têm onde sentar, tem gente nas escadas, pessoas sentadas no chão e não tem bombeiros para acudir se houver algum problema", disse. "As pessoas estão correndo risco."
Barreto afirmou que a cerimônia de pré-estreia do filme foi organizada pela produção do Festival de Brasília e ofereceu uma sessão extra para quem quisesse deixar o teatro. Ninguém saiu. O produtor então pediu para que uma fila de 30 pessoas se retirasse dos assentos para que os atores pudessem se sentar para ver o filme. O produtor foi vaiado pelo público. Ninguém saiu do lugar.
Antes, por volta das 20h50, alguns manifestantes subiram ao palco e abriram uma faixa com os dizeres "Lula, liberte Cesare", em referência ao ex-ativista italiano Cesare Battisti, condenado na Itália por quatro assassinatos ocorridos na década de 70. O Supremo Tribunal Federal retoma nesta quarta o julgamento de extradição do italiano.

15 de nov de 2009

Operação Laçador

A Operação Laçador é um exercício conduzido pelo Ministério da Defesa, no Comando Militar do Sul (CMS), com a participação da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, entre os dias 16 e 27 de novembro de 2009. Atualmente, este é o maior exercício combinado da América Latina, em função do número de Comandos e efetivos das três Forças Armadas envolvidas, contando com mais de 8 mil homens e mulheres.

Desenvolvida, simultaneamente, nos estados do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e do Paraná, a Operação Laçador tem por finalidade o adestramento operacional e tático dos Comandos e Estados-Maiores, na execução e avaliação do exercício combinado, o trabalho conjunto das Forças navais, terrestres e aéreas, dentre outros.

As principais atividades ocorrerão na região do Porto de Rio Grande, com ações da Força Combinada Rio Grande, sob o comando do 5º Distrito Naval; na região de Curitiba/PR, onde serão realizados Exercícios de Simulação de Combate pela 5ª Região Militar/ 5ª Divisão de Exército; e a região compreendida entre as cidades de Cachoeira do Sul/RS e Bagé/RS, com a 3ª Divisão de Exército, realizando no terreno um exercício de Posto de Comando. Na Base Aérea de Canoas/RS, aeronaves decolam para simulação de combate à aviação inimiga da Base Aérea de Santa Maria/RS.

http://www.lacador.eb.mil.br/

14 de nov de 2009

SPONHOLZ - JORNAL DA MANHÃ

FAUSTO - OLHO VIVO

13 de nov de 2009

Cesare Battisti entrou em "greve total" de fome, diz senador

O ex-ativista italiano Cesare Battisti, que aguarda o Supremo Tribunal Federal (STF) julgar o pedido de extradição apresentado pelo governo da Itália, iniciou uma "greve total" de fome nesta sexta-feira, informou à agência Ansa o senador José Nery (Psol-PA). O parlamentar se encontrou com o italiano no presídio de Papuda, em Brasília.

Battisti, ex-ativista do grupo Proletários Armados pelo Comunismo (PAC), foi condenado à prisão perpétua na Itália em 1983 por supostamente ter coordenado o assassinato de quatro pessoas entre 1977 e 1979. Ele foi preso em março de 2007 no Rio de Janeiro e o governo italiano pediu sua extradição em maio do mesmo ano. Sob o argumento de "fundado temor de perseguição", o ministro da Justiça, Tarso Genro, concedeu status de refugiado político ao italiano em janeiro. O Comitê Nacional para os Refugiados (Conare) havia dado parecer contrário ao refúgio.

O pedido italiano é agora analisado pelo STF. A primeira sessão do caso na Corte, realizada no dia 9 de setembro, terminou com um placar favorável à deportação, que obteve apoio de quatro dos ministros. Os outros três que se pronunciaram votaram por sua permanência no Brasil.

Ontem, o ministro Marco Aurélio Mello empatou o placar ratificando seu apoio ao refúgio. O presidente do Supremo, Gilmar Mendes, que dará o voto de desempate, suspendeu a sessão antes de se pronunciar.

Também esteve presente no encontro a militante Rosa de Fonseca, do movimento Crítica Radical, liderado pela ex-prefeita de Fortaleza Maria Luiza Fontenele, que apoia o ex-membro do PAC.

As Instituições Militares não estão nem serão facilmente dominadas / Gen PChagas.

Caros amigos

Meditando sobre o futuro quase imediato do Brasil, fica fácil concluir que não há líder ou líderes políticos neste país com poder para enfrentar o atual presidente, Lula da Silva, em um embate eleitoral.

Sua identidade física, cultural e comportamental com a grande massa de manobra do eleitorado faz dele o único líder político com capacidade para manobrá-la na direção de sua vontade, interesses e ambições pessoais.

A massa de liderados do Sr Da Silva é composta por pessoas incultas, sofridas e exploradas pela histórica má qualidade moral dos políticos brasileiros, grupo no qual o presidente da República se enquadra com louvor. Soma-se a esta massa de iludidos,grandes banqueiros, integrantes de movimentos ditos "sociais" - em defesa de índios, negros, do meio ambiente, da reforma agrária (cujo exemplo mais deplorável é o espúrio MST), alguns inocentes úteis, crentes na “divindade” do “filho do Brasil”, e os eternos oportunistas de plantão, cuja confiabilidade foi entregue ao Diabo na negociata por suas almas.

Isto tudo já é muito, mas parece pouco aos ávidos olhos e mentes dos que, à sombra do líder, trabalham para consolidar o poder conquistado com as ferramentas da mentira, da omissão e da corrupção, entre outros vícios da natureza humana.

Há poucos dias assistimos ao lançamento do “Bolsa Cultura”, mais um subterfúgio assistencialista, mais um moirão a reforçar o curral eleitoral dos analfabetos funcionais, compulsados, como no regime de prisão modelar dos irmãos Castro, a assistir e ler aquilo que o partido lhes “sugere” como base para seu enriquecimento cultural.

Estas são constatações genéricas que saltam aos olhos de qualquer cidadão de bem que conheça e aprecie as virtudes do regime democrático. O Estado brasileiro está sendo, descaradamente aparelhado para conduzir sub-repticiamente a nação ao sistema totalitário, retrógrado, que há vinte anos foi banido da Europa e que tem sobre seus ombros mais de 100 milhões de cadáveres.

Todos os brasileiros minimamente instruídos sabem, consciente ou inconscientemente, que este é o fim colimado pelos “companheiros no poder”, basta olhar para os seus camaradas de aventuras na Venezuela, no Equador, na Bolívia, no Paraguai e na Argentina, todos inspirados no grande Castro, o ditador cubano.

A Candidata Dilma, dirigindo-se ao PC do B, cuja célula inspiradora, na China, é responsável por mais de 70 milhões de assassinatos em nome de uma “revolução cultural”, diz, sem medo ou vergonha, que "Falar do PCdoB é falar de luta, de superação, de desafios, de resistência e também de heroísmo. Falar de João Amazonas, Diógenes Arruda e dos companheiros mortos no Araguaia --e me refiro em especial a duas pessoas: Osvaldão e Helenira -- é falar da luta para fazer da grandeza desse país a grandeza de nosso povo. O desafio que nós militantes enfrentamos passa por aí...O PCdoB é uma das chamas que vai iluminar esse projeto junto com os partidos que integram nosso governo. Tenho certeza que essa chama vai brilhar para todo o Brasil".

É com este mesmo descaramento e desrespeito às vítimas do regime que todos os citados queriam para nós brasileiros, que é lembrado o nome do terrorista assassino Carlos Marighela como exemplo do heroísmo nacional! Só não vê quem não quer; o verdadeiro objetivo é transformar os soldados em anti-heróis da Pátria, pois quem mata herói é bandido!

Tudo isto evidencia o início da retirada da máscara, como bem prega a doutrina socialista, uma vez que, politicamente, não há mais o que temer, não há mais líderes ou oposição a enfrentar.

Há, no entanto, um problema a ser administrado com inteligência e cautela, qual seja, destruir o prestígio das únicas instituições que compartilham com Lula de elevados e ameaçadores índices de prestígio e confiança junto à sociedade: Os Militares.

Mas, ao mesmo tempo, é necessário fortalecê-los fisicamente para, com eles, assegurar a posse das fontes de arrecadação e, na hora oportuna, poder usá-los para garantir a tomada definitiva do poder. Foi assim em outras épocas e em outros lugares.

A politização das Forças é medida fundamental neste sentido. O primeiro passo será a indicação dos Comandantes pelo político que, na ocasião, estiver exercendo o cargo de Ministro da Defesa. Daí para as promoções a General dependerem do aval da “classe política” será um pequeno passo.

Outra medida significativa é a troca de heróis fardados por terroristas fanatizados pelo ódio à liberdade, mas, todas estas atitudes são demonstrações de medo e medo é fraqueza, é vulnerabilidade a ser explorada com oportunidade e determinação!

As Instituições Militares não estão nem serão facilmente dominadas.

Urge, todavia, que elas reajam ostensivamente, e compartilhem com toda a Nação, de forma peremptória, definitiva, clara e tonitroante, a sua opção de servir ao Brasil e apenas ao Brasil, à luz permanente de sua missão constitucional e dos pressupostos muito bem definidos nos Princípios Fundamentais da Carta Magna. Tudo com o objetivo de continuar a merecer o prestígio e a confiança da sociedade e a desencorajar, definitivamente, as tentativas de enfraquecê-las e de usá-las para a conquista do poder e para a destruição da democracia que ajudaram a conquistar com o sangue de verdadeiros heróis e de vítimas iludidas por fanáticos da utopia comunista.

Gen PChagas

12 de nov de 2009

Carta em resposta a questionamento sobre transformação em Postos Médicos de Guarnição

Esclarecemos que os sistemas de saúde no Brasil e no mundo passam por dificuldades relacionadas com o seu financiamento e sua eficiência operacional.
O cenário da assistência médico-hospitalar é de crise (fenômeno universal); é a crise do financiamento, que se manifesta pela ineficiência, ineficácia e inefetividade, com conseqüente insatisfação geral.
Acerca desse assunto, a Revista Veja, em reportagem datada de 14 de maio de 2008, publicou um interessante artigo sobre os custos da saúde, registrando que “a medicina avança e salva vidas, mas está cada vez mais difícil para as pessoas, as empresas e os Governos, pagarem por esse progresso.”
As causas para isso são as mais diversas e, dentre as principais, podemos citar o aumento da expectativa de vida das pessoas, a evolução tecnológica, a maior complexidade terapêutica e o surgimento de novas especialidades médicas, que conduzem à chamada “inflação médica”, sempre em valores acima da inflação normal.
Trata-se, portanto, de um cenário preocupante, principalmente quando se tem a percepção de que o Sistema de Assistência Médica aos Militares do Exército e seus Dependentes (SAMMED), que hoje conta com cerca de 800 (oitocentos) mil usuários, incluindo os beneficiários do Fundo de Saúde do Exército (FUSEx), encontra-se inserido neste contexto.
Com o apoio do Departamento-Geral do Pessoal (DGP), as Diretorias de Saúde e de Assistência ao Pessoal vêm, ao longo dos últimos anos realizando um esforço permanente na área administrativa, objetivando manter o sistema saudável e em condições de sobreviver no mercado da saúde.
Entretanto, a despeito de tais esforços, o que se tem conseguido é apenas manter-se o equilíbrio entre a receita e a despesa.
Em face de tais problemas e do cenário futuro que se descortina, o Comandante do Exército, em Portaria nº 457, de 15 de julho de 2009, aprovou a Diretriz para Implantação do Plano de Revitalização do Serviço de Saúde do Exército, constituído de 12 (doze) projetos a serem implementados no período de 2009 a 2014, entre os quais encontra-se o Projeto de Reclassificação das OMS, que tem como escopo otimizar o emprego dos recursos humanos, dos equipamentos e das instalações das mesmas, centralizando os meios e estabelecendo-se um fluxo de evacuação para as OMS de maior resolubilidade.
No Rio Grande do Sul, por exemplo, os Hospitais de Santa Maria, localizado na região central do Estado, e o de Porto Alegre, foram escolhidos como hospitais de referência, nos quais se concentrarão a maior parte dos meios, dotando-os de alto grau de resolubilidade e para os quais deverão convergir os casos de maior complexidade.
Em consequência, fez-se necessária a transformação de alguns Hospitais de Guarnição em Postos Médicos, uma vez que, considerando-se a necessidade de centralização de meios e, também, a relação custo/efetividade, não se justifica mantê-los em operação.
Face aos estudos realizados pela D Sau, elencou-se os hospitais de guarnição de Cruz Alta, Uruguaiana e Santo Ângelo para transformação em postos médicos de guarnição tipo III, haja vista ser comum a essas organizações militares de saúde o apoio a um número inferior a 3.500 usuários do FUSEx em suas guarnições, e possuírem uma série histórica de baixa produção hospitalar.
Nessas guarnições, a assistência à saúde da família militar será preservada, não apenas com a oferta de atendimento de saúde, por meio de convênio firmado pelo DGP com organização civil de saúde (OCS) nacional, mas também pela possibilidade do atendimento hospitalar em OCS, inclusive procedimentos cirúrgicos, ser realizado pelos oficiais médicos dos postos médicos, conforme estabelecido na legislação vigente.
Por outro lado, Postos Médicos como os de Belo Horizonte, Goiânia e Boa Vista, localizados em Guarnições cujos efetivos a apoiar encontram-se em torno de 8.000 (oito) mil beneficiários do FUSEx, cada um, e cujas despesas com OCS são elevadas, exigem a sua imediata transformação dos mesmos em Hospitais de Guarnição, o que deverá ocorrer até o ano de 2012.
Finalizando, pode-se assegurar que o Departamento-Geral do Pessoal e as suas diversas Diretorias, particularmente a de Saúde, vêm envidando todos os esforços no sentido de proporcionar o melhor benefício possível à família militar, no tocante à prestação de um atendimento de saúde de alto nível, a custos que permitam ao sistema um equilíbrio da grave questão de escassez de recursos com a necessidade de um constante aprimoramento dos recursos humanos e tecnológicos de nossas OMS.

DEPARTAMENTO-GERAL DO PESSOAL

11 de nov de 2009

Sargentos na linha de frente

A nova tropa de elite do Exército Brasileiro já foi apresentada ao alto comando de carreira, mas ainda não sabe marchar ou prestar continência direito. Nunca pegou num fuzil e terá sua primeira instrução de tiro na sexta-feira. Acampamento na selva, só por dois dias, durante toda a formação militar. Cabelo reco não é obrigatório e tatuagens podem extrapolar os limites da farda. Quem tiver compromisso, basta avisar ao comando e está liberado do serviço. Com apenas um dia de quartel, os 72 novos incorporados (54 homens e 18 mulheres) já receberam a patente de 3º Sargento, com soldo de R$2,5 mil mensais. Alguma coisa estava fora da ordem unida, ontem de manhã, no Forte São João, na Urca.
Apresentados sob sol escaldante, de short preto e camiseta branca com patente, nome e sobrenome bordados, SGT Tiago Camilo, SGT Keila Costa, SGT Vicente Lenilson, SGT Natália Falavigna, SGT Hudson de Souza e SGT Leandro Guilheiro, entre outras autoridades do esporte olímpico brasileiro, terão a missão de defender a soberania nacional, durante os V Jogos Mundiais Militares, entre 17 e 24 de julho de 2011, no Rio.
Serão 4.900 atletas em 20 modalidades
No pelotão especial que repetia gritos de guerra, mas mostrava pouca intimidade com comandos do tipo "Sentido!" e "À direita, volver!", havia até sargentos boleiros e velhos conhecidos do torcedor carioca: SGT Bruno Carvalho (ex-lateral de Vasco, Botafogo, Flamengo, Fluminense e seleção brasileira) e SGT Fábio Augusto (ex-volante de Botafogo, Flamengo e América).
- Aqui não é nossa praia, mas com um mês vamos aprender tudo. Estou sem clube e participei de alguns eventos de showbol. Agora, surgiu essa oportunidade de representar o Brasil novamente - disse Bruno Carvalho, de 35 anos, que chamava a atenção pelo gel no cabelo e pela imensa tatuagem tribal do pescoço ao antebraço esquerdo: - Quando fiz a tatuagem, nunca imaginei que seria sargento. Já parece que estou camuflado.
Considerado evento-teste para as Olimpíadas-2016, os Jogos Mundiais Militares vão reunir 4.900 atletas, divididos em 20 modalidades. O Brasil, garantido em todas as disputas, terá 250 representantes. Serão quatro pólos de disputa, em Deodoro, Copacabana, Barra da Tijuca e Maracanã, que pode ser substituído pelo Engenhão, por conta das obras para a Copa-2014.
O Exército cuidará de dez esportes. Marinha e Aeronáutica, de cinco, cada. Atletismo, basquete, boxe, hipismo, esgrima, futebol, iatismo, judô, natação, pentatlo moderno, tiro, taekwondo, triatlo, vôlei e vôlei de praia se unem a modalidades específicas, como pára-quedismo, orientação e pentatlos aeronáutico, naval e militar.
Os sargentos técnicos temporários apresentados ontem terão vínculo máximo de sete anos com o Exército, renovável ano a ano. Eles poderão continuar treinando em seus clubes e tendo patrocinadores particulares. Mas estarão sujeitos a penalidades e até afastamento caso se envolvam em indisciplina, mesmo fora do quartel, ou até em casos de doping.
- A vinda destes atletas foi pontual, para suprir a ausência de nomes de alto rendimento nas equipes militares - explicou o coronel Hertz, responsável pela comunicação social da convocação. - Se algum deles cometer ato que comprometa a imagem da instituição, estarão sujeitos a penalidades.
Segundo dados do Conselho Internacional de Esportes Militares (CISM), 755 militares participaram dos Jogos de Pequim-2008.
- Disciplina e hierarquia o judô já ensina. Duro mesmo é o sol na cabeça. Haja protetor! - brincou o campeão mundial (2007) e bronze em Atenas-2004, Tiago Camilo.
Para os novos sargentos, só bravura não dá medalha.
SGT Kaio e SGT Daynara, orgulhos da tropa
Em Estocolmo, nadador bate recorde mundial dos 200m borboleta
Nem todos os 72 novos sargentos convocados pelo Exército para os V Jogos Mundiais Militares-2011 se apresentaram segunda-feira, no Forte São João, conforme combinado. Os que já tinham competições agendadas foram dispensados e dois deles já se transformaram em orgulho do pelotão. SGT Kaio Márcio fez história ontem, batendo o recorde mundial dos 200m borboleta, com 1m49s11, e SGT Daynara de Paula ficou com o bronze nos 100m borboleta (56s52, novo recorde sul-americano), durante o Mundial de Piscina Curta, em Estocolmo, na Suécia. Já o "civil" Felipe França ganhou prata para o Brasil nos 50m peito, com 25s87.
Na final dos 200m borboleta, Kaio superou o russo Nikolay Skvortsov, que ficou com a prata (1m50s75). Era dele o recorde anterior (1m50s53), que durava desde fevereiro.
Foi o segundo recorde mundial em piscina curta da carreira do paraibano, que, em 2005, batera o dos 50m borboleta, com 22s60. Em excelente forma, Kaio disputou ontem a final da prova, pouco depois do ouro nos 200m borboleta, e superou sua própria marca, com 22s44, novo recorde sul-americano.
Daynara, por sua vez, assegurou o bronze numa prova em que a australiana Felicity Galvez bateu o recorde mundial, com 55s46.

10 de nov de 2009

Tarso: Itália intervir no caso Battisti é 'desaforo'

SÃO PAULO - O ministro da Justiça, Tarso Genro, reagiu hoje às tentativas do governo italiano de interferir no caso do ex-ativista italiano Cesare Battisti. Tarso disse estar surpreso com a "arrogância" e "falta de respeito completo" demonstrados pela Itália no episódio. O julgamento do processo de extradição do italiano será retomado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) na quinta-feira. "Eles não têm competência nem representação para entrar com ações judiciais. É um desaforo para o Estado brasileiro e para a democracia no País."

"A postura da Itália de querer dobrar o Judiciário brasileiro é uma vergonha para ela e uma tentativa de humilhação ao Brasil", afirmou ele, em evento de lançamento de oficinas de arte e tecnologia na capital paulista. Segundo reportagem publicada hoje pelo jornal "Folha de S.Paulo", o governo da Itália estuda questionar na Justiça a participação na decisão do ex-advogado-geral da União e atual ministro do STF José Antonio Dias Toffoli.

Em tese, não há impedimentos para a participação do ministro no caso, uma vez que a Advocacia-Geral da União (AGU) não se manifestou na época sobre o processo. Tarso Genro disse esperar que o STF julgue a extradição de Battisti com os mesmos critérios de outros casos semelhantes e decida pela permanência do refugiado no Brasil.

Partiu do ministro da Justiça acolher Battisti como refugiado político em janeiro deste ano. O Supremo decide agora se, mesmo com o refúgio, o ativista pode ser extraditado. Para Tarso, a concessão de refúgio e o julgamento do pedido de extradição são competências exclusivas do governo local, no caso em questão, do brasileiro. "Em todas as constituições democráticas e no direito internacional, essas são questões de foro interno do Executivo e do Judiciário."

CAROLINA FREITAS - Agencia Estado
http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,tarso-italia-intervir-no-caso-battisti-e-desaforo,464114,0.htm

Promoção - Generais

Generais/ Lista de promoções encaminhada pelo Comando do exército ao ministro da Defesa, Nelson Jobim, e ao presidente Lula: para general de exército, os generais de divisão Américo Salvador de Oliveira e Gilberto Arantes Barbosa; para general de divisão, os generais de brigada Celso José Tiago, Luiz Alberto Martins Bringel, Marcelo Flávio Oliveira Aguiar, Eduardo Segundo Liberali Wizniewsky e Oswaldo de Jesus Ferreira.

Coronéis/ Também estão sendo promovidos a general de brigada os coronéis Walter Souza Braga Netto, Luís Antônio Silva dos Santos, Décio Luís Schons, Luiz Felipe Linhares Gomes, Amauri Pereira Leite, Lauro Luís Pires da Silva, Antônio dos Santos Guerra Neto, César Augusto Nardi de Souza, Franklimberg Ribeiro Freitas, Carlos Maurício Barroso Sarmento, José Luiz Laborandy Junior e Waldir da Silva Lucena

CORREIO BRAZILIENSE

INFORMEX NR 027 – 5 DE NOVEMBRO DE 2009
http://www.exercito.gov.br/05notic/Informex/2009/infor027.pdf

Depois da Expulsão

A Queda da Uniban

8 de nov de 2009

Plano de defesa terá prioridade na Câmara - Fala Sério - Próximas Gerações - Gen 78

O presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), vai se empenhar para que a tramitação do projeto de lei que dá às Forças Armadas poder de polícia seja rápida. Apesar disso, o governo já sabe que enfrentará resistências da oposição. O presidente do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ), desconfia da eficácia da proposta - cujo conteúdo foi revelado pelo Estado na sexta-feira - e propõe que o ministro da Defesa, Nelson Jobim, vá ao Congresso para prestar explicações assim que o texto for enviado pelo governo, o que deve ocorrer nos próximos dias.Jobim dedicou os últimos meses a conversar com lideranças partidárias da Câmara e do Senado para vencer possíveis resistências à proposta. "Tenho simpatia pelo projeto", afirmou Temer, ontem. "Quando ele chegar à Câmara, vou conversar com os líderes partidários para verificar a melhor tramitação.""A ideia desse projeto é muito antiga, anterior ao ministro Jobim. Por isso, acredito que não haverá grande polêmica e irá reunir um amplo apoio para sua aprovação", reforça o ex-presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PC do B-SP). "Não vamos ter dificuldades em aprovar esse projeto. Ele atualiza a visão das Forças Armadas", concordou o líder do PSB na Câmara, Rodrigo Rollemberg (DF). "Não vai ser uma coisa de governo e oposição", observou.Para Aldo, os eventuais opositores ao projeto que altera a Lei Complementar 97 ficarão concentrados em corporações que vierem a se sentir prejudicadas pela proposta. "As contestações ao projeto podem ser de um ou outro setor, de corporações que podem se sentir prejudicadas pela retirada de tarefas que, hoje, são de competência exclusiva delas", disse.MUDANÇAS-Pela proposta do Ministério da Defesa, a Força Aérea Brasileira (FAB) e a Marinha ganharão poderes de polícia. Estariam cobertas pela proteção legal para realizar operações típicas de manutenção da lei e da ordem. Em operações de vigilância na fronteira, Exército, Marinha e Aeronáutica poderiam revistar pessoas, veículos e instalações e fazer prisões em flagrante delito. Há outras novidades: A Aeronáutica deixa de controlar a aviação civil, o ministro da Defesa ganha força, será criado o Estado-Maior Conjunto, haverá remodelação do orçamento das Forças e novos contingentes.O presidente do DEM acha que existem muitas dúvidas em relação à ideia de dar poder de polícia para as Forças Armadas. "Eu estou cauteloso em relação à proposta. Acho que o ministro Jobim precisa dar explicações ao Congresso que sejam convincentes em relação a esse projeto porque muitos especialistas são contrários e não me parece que as Forças Armadas tenham preparação adequada para esse tipo de atuação.""Defendo que ele seja convidado para falar sobre assunto no Congresso e apresente motivos convincentes, o que duvido que aconteça", destacou. "Não pode a cada crise de segurança no Rio, o governo apresentar solução emergencial diferente."

Internet pode ser prejudicial a saúde, veja porque

Internet pode ser prejudicial a saúde, veja porque

Posted using ShareThis

6 de nov de 2009

LUGO ACUADO-Temor de golpe aumenta turbulência no Paraguai

Presidente desmentiu trama militar, mas trocou comandantes do exército, da marinha e da força aérea. A posse dos novos comandantes do exército, da marinha e da força aérea do Paraguai, ocorrida ontem, não foi suficiente para colocar um ponto final à turbulência política que o país vem atravessando – reforçada pela notícia de que um suposto golpe militar estava sendo arquitetado.
Ao desmentir publicamente que militares estivessem tramando um golpe para tirá-lo do poder, o presidente Fernando Lugo acabou alimentando ainda mais a discussão em torno do assunto. Enquanto o general Bartolomé Pineda, o contra-almirante Egberto Orué e o general de brigada Hugo Gilberto Aranda assumiam os comandos do exército, da marinha e da força aérea, respectivamente, a atitude de Lugo era questionada. Paralelamente, uma maioria de parlamentares da situação e da oposição ameaçou abrir um processo de impeachment contra Lugo, acusando-o de “inépcia para governar”.
– Os comandantes destituídos ficaram com a imagem de golpistas frente à opinião pública – reclamou Mario Soto, ex-comandante do exército.
O ministro do Interior, Rafael Filizzola, saiu em defesa de Lugo, ao dizer que o presidente “não tem obrigação de dar explicações:
– A Constituição autoriza o chefe de Estado a realizar as alterações necessárias para uma melhor organização ou funcionamento do governo.
As mudanças na cúpula militar foram anunciadas na quarta-feira. Lugo, cuja ascensão ao poder, liderando uma ampla aliança, rompeu a hegemonia de 61 anos do Partido Colorado, negou qualquer quebra do processo democrático. Ele garantiu que as forças armadas do país “não se prestaram a nenhum golpe’’, embora tenha admitido a existência de “bolsões golpistas’’ entre os militares – alguns mantinham reuniões com políticos da oposição.
Militares estariam se sentindo desprestigiados
De acordo com uma reportagem do jornal Última Hora, no último final de semana os rumores de que um golpe estava sendo arquitetado ganharam força. Entre os descontentes com o governo estaria um grupo de militares que se mantinha leal a Bernardino Soto Estigarribia, também ex-comandante do exército e outro descontente com o pouco prestígio dado a eles pelo atual governo. O plano não teria prosperado porque não obteve o apoio de toda a cúpula castrense.
O presidente vive ainda uma crise com o vice, Federico Franco, do Partido Liberal Radical Autêntico, e é acusado pela oposição de ter ligação com o grupo esquerdista Exército do Povo Paraguaio, supostamente responsável pelo sequestro do fazendeiro Fidel Zavala.
Para completar a crise, a paraguaia Damiana Hortensia Morán Amarrilla, 40 anos, entrou com uma ação contra Lugo pedindo o reconhecimento da paternidade do filho Juan Pablo, dois anos. Outras duas mulheres já haviam feito o mesmo. Viviana Carrillo, 26 anos, conseguiu o reconhecimento do filho, Guillermo Armindo. Já Benigna Leguizamón, mãe de Lucas Fernando, sete anos, espera a decisão de um recurso sobre onde Lugo deve fazer o exame de DNA.

3 de nov de 2009

Bases Militares USA - Colômbia

Washington - Na sexta-feira, 30 de outubro, os governos dos Estados Unidos e da Colômbia assinaram o Acordo de Cooperação em Matéria de Defesa (DCA), que passa a vigorar.
Os Estados Unidos e a Colômbia mantêm um relacionamento bilateral estreito e estratégico. A assinatura antecipada do DCA (formalmente denominado Acordo Complementar de Cooperação, Assistência Técnica e Segurança, ou Sacta) aprofundará a cooperação bilateral em questões de segurança. O DCA facilitará a cooperação bilateral efetiva em matéria de segurança na Colômbia, incluindo produção e tráfico de narcóticos, terrorismo, contrabando de todos os tipos e desastres humanitários e naturais.
O DCA não permite o estabelecimento de nenhuma base americana na Colômbia. Garante a continuidade de acesso americano a instalações colombianas específicas, conforme acordado, para o desenvolvimento de atividades no país mediante consentimento mútuo.
O acordo facilita o acesso dos EUA a três bases da Força Aérea colombiana localizadas em Palanquero, Apiay e Malambo. Permite também acesso a duas bases navais e duas instalações do Exército, além de outras instalações militares colombianas se acordado mutuamente. Todas essas instalações militares estão, e continuarão, sob controle colombiano. Comando e controle, administração e segurança continuarão sob a responsabilidade das Forças Armadas colombianas. Todas as atividades realizadas pelos Estados Unidos nessas bases, ou a partir delas, somente ocorrerão com a expressa aprovação prévia do governo colombiano. A presença de pessoal americano nessas instalações se dará com base na necessidade e na concordância mútua.
O DCA não sinaliza nem prevê ou autoriza o aumento da presença de pessoal americano, militar ou civil, na Colômbia.
A presença de militares americanos e pessoal relacionado na Colômbia é regida por lei. Em outubro de 2004, o Congresso autorizou o destacamento permanente ou temporário de um efetivo militar de até 800 pessoas e até 600 civis contratados. Esse limite continuará a ser respeitado fielmente. Na verdade, nos últimos anos a presença real dessa equipe tem sido em média a metade do número autorizado ou menor. Coerente com a política dos EUA de nacionalizar as atividades apoiadas pelo país ao entregá-las às autoridades colombianas, a presença de pessoal americano tem diminuído gradativamente. Os Estados Unidos esperam que essa tendência se mantenha e se empenharão para isso.
No nível técnico, o DCA ajusta e atualiza acordos, práticas e sistemas de segurança bilaterais existentes e continua a garantir proteções e status adequados ao pessoal americano. O engajamento bilateral entre os EUA e a Colômbia no âmbito da segurança é regido por condições estabelecidas em vários acordos bilaterais, entre os quais o Acordo para Assistência Mútua em Matéria de Defesa de 1952, o Acordo Geral de Assistência Econômica, Técnica e Relacionada, de 1962, e os acordos afins subsequentes de 1974, 2000 e 2004.

1 de nov de 2009

BOLSONARO - GEN 78 TOMEM UMA ATITUDE-QUERO UM PAIS DIGNO PARA AS PROXIMAS GERAÇÕES-LAGES 78

Corregedoria arquiva oito denúncias contra Jair Bolsonaro (PP-RJ), que chamou presidente de “homossexual” e ministra de “assaltante”, e tripudiou busca por mortos na Guerrilha do Araguaia. Mesa Diretora da Câmara arquivou de uma só vez oito representações contra o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), acusado de dar declarações "violentas de ódio e desrespeito" em pronunciamentos na Casa, entre 2004 e 2005. O deputado foi denunciado por, entre outras coisas, chamar o presidente Lula de “homossexual” e a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, de “especialista em assalto e furto”. O parecer que recomendou o arquivamento das representações, incluindo as declarações contra Lula e Dilma, é do corregedor da Casa, Antonio Carlos Magalhães Neto (DEM-BA). O corregedor sugeriu que o parlamentar fosse apenas “alertado" de que, em caso de reincidência, poderá responder a processo por quebra de decoro parlamentar. O deputado do PP também escapou de punição por ter afixado um cartaz em seu gabinete em que tripudia as buscas do governo federal por corpos dos desaparecidos na Guerrilha do Araguaia. Na legislatura passada, a Casa havia arquivado uma representação contra ele após uma briga com a deputada Mario do Rosário (PT-RS), que por pouco não terminou em agressão física. Jair Bolsonaro é um sobrevivente na Câmara. Em seu quinto mandato consecutivo na Casa, o deputado recebeu seis punições por causa de pronunciamentos agressivos e entrevistas polêmicas. Foram três censuras verbais e duas por escrito. Em todos os casos, escapou da abertura de processo de cassação do mandato. "Com que moral vão me cassar aqui?", provoca (leia mais). Veja outras declarações polêmicas do deputadoFuzilamento No governo Fernando Henrique Cardoso, a Câmarafoi menos complacente com o parlamentar fluminense. Em programa exibido pela TV Bandeirantes em 2000, o deputado sugeriu o fechamento do Congresso. E, para espanto dos entrevistadores, afirmou que durante a ditadura militar deveriam ter sido fuzilados "uns 30 mil corruptos, a começar pelo presidente Fernando Henrique Cardoso". Por pregar o fuzilamento do então presidente da República, a Mesa Diretora decidiu, em fevereiro daquele ano, suspender o mandato do deputado por 30 dias. Capitão e paraquedista do Exército, Bolsonaro é o único parlamentar a defender abertamente a ditadura militar. Autor do relatório que rejeitou em bloco as novas denúncias contra o colega, ACM Neto nega que tenha agido de forma política ao absolver Bolsonaro. "Decidi pelo arquivamento, pois os fatos são antigos e os deputados que me antecederam na Corregedoria não tinham sequer notificado o deputado", disse o corregedor ao site. "Verifico que os acontecimentos que ensejaram a representação encontram-se superados", diz o parlamentar baiano em seu relatório, aprovado pela Mesa Diretora no último dia 22 de setembro. “Homossexual” O presidente Lula e a ministra Dilma Rousseff entraram na mira de tiro da metralhadora verbal de Bolsonaro em 23 de junho de 2005, durante pronunciamento feito na Câmara. "Cumprimento o presidente Lula por ter nomeado para a Casa Civil uma pessoa técnica, especialista em assalto e furto", disse Bolsonaro, ao se referir à nomeação da ministra-chefe da Casa Civil. No mesmo discurso, o deputado chamou o presidente de “homossexual”. "Se a corrupção existe nesta Casa, quem a pratica, o homossexual ativo, é o presidente Lula. Temos de começar um movimento para desbancar o presidente da República. Não queremos homossexual passivo, nem ativo, neste governo", afirmou. As frases homofóbicas levaram o Grupo Dignidade - pela Cidadania de Gays Lésbicas e Transgêneros a representar o deputado. A representação foi encabeçada ainda pela deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC) e pela então deputada Teresinha Fernandes (PT-MA). “Piores que baratas” Outros aliados do presidente Lula – sobretudo aqueles que se envolveram naluta armada durante a ditadura militar – também foram vítimas da artilharia de Bolsonaro. O deputado José Genoino (PT-SP), ex-preso político e militante da Guerrilha do Araguaia, foi tratado pelo parlamentar fluminense como "delator de colegas". O ex-deputado Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP) foi chamado de "portador de Lesão por Esforço Repetitivo por contar dinheiro obtido em indenizações milionárias à conta da viúva.” Já o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu foi retratado como "terrorista, precursor de Bin Laden e especialista em tortura, sequestro e carro-bomba". Quando comandava o Ministério da Justiça, o advogado Márcio Thomas Bastos foi apontado por ele como "defensor de marginais de alta periculosidade".Aos petistas, Bolsonaro disse que eram "piores do que baratas", e a ministra Dilma Rousseff aparece novamente no discurso como "integrante de quadrilha que assaltou uma casa, sendo especialista em roubo e assalto".Confusão no Exército O histórico de indisciplina do deputado remonta aos tempos da caserna. Quando era capitão de arma da artilharia do Exército, Jair Bolsonaro foi preso disciplinarmente por 15 dias após liderar manifestação contra os baixos soldos (salários) dos militares em 1986. O caso teve desdobramento: no ano seguinte, ele foi acusado pelo então ministro do Exército, Leônidas Pires Gonçalves, de indignidade para o oficialato. Bolsonaro acabou sendo absolvido, em 1988, pelo Superior Tribunal Militar (STM) por nove votos a quatro. Naquele mesmo ano, entrou para a vida política ao se eleger um dos vereadores mais votados da cidade do Rio de Janeiro. “Ditadura de merda” As divergências do capitão do Exército com o comando militar continuam. Na porta de seu gabinete, o deputado do PP afixou recentemente um cartaz ironizando a procura dos restos mortais dos militantes de esquerda desaparecidos durante a Guerrilha do Araguaia. O cartaz dizia: “Desaparecidos da Guerrilha do Araguaia: quem procura osso é cachorro”. "Coloquei cartaz mesmo, pois estão usando dinheiro público para coisas inúteis.Não sei por que eles estão reclamando. Essa ditadura foi uma ditadura de merda, pois sumiram só 300 pessoas; e em Cuba, na ditadura do Fidel, foram 17 mil mortos", dispara Bolsonaro. Por causa do cartaz, o PCdoB ingressou na Câmara com pedido de instauração de processo ético-disciplinar contra o deputado. ACM Neto também arquivou essa representação e pediu apenas que o cartaz fosse retirado da porta do gabinete de Bolsonaro.