12 de ago de 2016

Morre policial da Força Nacional baleado no Complexo da Maré

Soldado Helio Vieira, que estava no Rio para a segurança dos Jogos Olímpicos, não resistiu ao ferimento na cabeça

Pouco mais de 24 horas depois de ser baleado na cabeça por traficantes da Vila do João, no Complexo da Maré, o soldado Helio Vieira, que integrava a Força Nacional de segurança no reforço de efetivo dos Jogos Olímpicos do Rio, não resistiu. Ele morreu na noite desta quinta-feira, no Hospital Salgado Filho, na Zona Norte do Rio de Janeiro. O anúncio foi feito pelo ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, em sua página pessoal do Facebook.
O ministro classificou o ataque como covarde e disse que o soldado Vieira é um verdadeiro herói do país. Moraes afirmou ainda que o presidente interino Michel Temer decretará luto oficial.
O soldado Vieira, que era de Roraima, e outros dois policias foram atacados quando entraram por engano no Complexo da Maré, conjunto de favelas que, de acordo com as promessas do governo do Rio de Janeiro, já deveria ter sido ocupado pelas forças de segurança. O capitão Alen Ferreira e o soldado Rafael Pereira, que também foram atingidos no ataque, voltaram para o alojamento da Força Nacional e receberam a visita do ministro.

11 de ago de 2016

Meirelles: governadores têm como cumprir teto de despesas públicas



Brasília - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, durante entrevista coletiva no ministério (Valter Campanato/Agência Brasil)
Meirelles disse que “o importante é o foco no resultado. O relevante é o ajuste fiscal dos estados, é o teto da evolução das despesas públicas nos próximos anos”Valter Campanato/Agência Brasil
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse hoje, em Brasília, que o mais importante na negociação da dívida dos estados é o foco no resultado. Ele participou de um encontro com parlamentares em um restaurante.
A reunião ocorre horas após a Câmara dos Deputados aprovar o Projeto de Lei Complementar 257/16 , que trata da renegociação das dívidas dos estados e do Distrito Federal com a União, alongando o pagamento por até 20 anos se eles cumprirem medidas de restrição fiscal. O ministro também não indicou iniciativas do governo para alterar, no Senado Federal, as medidas aprovadas na Câmara.
Ele afirmou, ainda, que os governadores têm todos os instrumentos para cumprir o teto e não precisam enviar projetos de reajustes salariais, mandando apenas projetos que se enquadram no teto estabelecido em lei.
“O importante é o foco no resultado. O relevante é o ajuste fiscal dos estados. Assim como na União, é o teto da evolução das despesas públicas nos próximos anos”, disse o ministro.
“Se um estado não cumprir com o teto, ele perde e volta a pagar a dívida nos termos originais”, destacou. Sobre o fato de o governo ter aceitado retirar do projeto o reajuste salarial dos servidores estaduais, Meirelles ressaltou que seria uma medida auxiliar, que ajudaria os governadores na manutenção do teto, mas ressaltou que é possível que os governadores adotem outras medidas para ficar dentro das regras. “Fundamental é o teto. Tal qual o federal, que é inegociável. Sem o teto, o Brasil ficaria em uma situação complicada de controle da evolução dos gastos públicos”, disse.
Sobre a tramitação do projeto no Congresso, o ministro da Fazenda disse que, felizmente, o Brasil vive em uma democracia e os parlamentares têm a prerrogativa de tomar as decisões relevantes, cabendo ao governo apontar as medidas. “[Isso] faz parte da democracia, medidas relevantes e pactuadas pelo Congresso”, enfatizou. Meirelles também negou que exista uma perda de força da equipe econômica para negociar outras medidas econômicas, como a reforma da Previdência. “Haveria uma perda de força congressual se o teto não fosse aprovado. Todo o ajuste fiscal tem como medida central o teto. No federal, por exemplo, nem se toca no assunto. Toca na questão de salário dos servidores. Tudo isso terá que se adequar ao teto”, ressaltou.
Cedo, o Ministério da Fazenda divulgou nota sobre a aprovação do projeto. De acordo com o texto, o ministro Henrique Meirelles, ao comentar do resultado, disse que “é o primeiro passo concreto do ajuste estrutural das despesas públicas brasileiras em décadas”.
A nota destaca, ainda, que o próximo projeto de ajuste a entrar em pauta na Câmara é o que define teto para as despesas federais. Segundo o ministro, “os governadores têm todos os instrumentos legais para garantir o teto das despesas dos estados, condição necessária para o enquadramento de cada estado nos termos da renegociação.”
Vitória do governo
O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, que participa do evento de hoje, considerou a aprovação das medidas como grande vitória do governo. Padilha, assim como Meirelles, considerou dispensável os estados não concederem reajuste salarial por dois anos, como foi aprovado na Câmara.
Eliseu Padilha disse que a equipe econômica estuda a possibilidade de ajuda aos estados do Nordeste, após a aprovação das medidas, porque eles solicitaram ajuda extra ao governo federal – não contemplada no projeto de renegociação das dívidas estaduais. Segundo o ministro, a região tem ficado aquém do que o estado brasileiro deveria ter alocado para aquela região.
“Não tem o mesmo desenvolvimento que encontramos no Sudeste e no Sul. São problemas graves, especialmente se falarmos da maior seca dos últimos 100 anos. A receita do Fundo de Participação dos Estados e do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) cai violentamente”, destacou.
Ajustes e combate à inflação
No último relatório de inflação, os técnicos do Banco Central destacaram que, entre outras medidas, a continuidade do avanço no combate à inflação depende de ajustes na economia brasileira, principalmente, nas contas públicas.
De acordo com o relatório, a literatura e as melhores práticas internacionais indicam que uma política fiscal consistente e sustentável contribui para reduzir as expectativas de inflação de forma que o processo de desinflação seja mais rápido e menos custoso.
O importante é o foco no resultado. O relevante é o ajuste fiscal dos estados. Assim como na União, é o teto na evolução das despesas publicas nos próximos anos, diz o relatório.

10 de ago de 2016

Lava Jato: MPF denuncia 15 por corrupção e lavagem de dinheiro

Executivos pagaram mais de 20 milhões de reais em propinas para funcionários do alto escalão da Petrobras e representantes do PT

O Ministério Público Federal (MPF) no Paraná apresentou nova denúncia nesta terça-feira contra 15 pessoas acusadas de formação de cartel, corrupção e lavagem de dinheiro no contrato para construção do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento Leopoldo Américo Miguez de Mello (Cenpes), no Rio de Janeiro, em 21 de janeiro de 2008. O contrato firmado pelo Consórcio Novo Cenpes com a Petrobras estava inicialmente previsto em 850 milhões de reais, entretanto, depois de sucessivos aditivos, superou o montante de 1 bilhão de reais.
Executivos do Consórcio Novo Cenpes, formado pelas empresas OAS, Carioca Engenharia, Schahin, Construbras e Construcap, ofereceram e pagaram mais de 20 milhões de reais em propinas para funcionários do alto escalão da Petrobras e representantes do Partido dos Trabalhadores (PT), que dava sustentação política ao negócio.
As investigações indicam que os 15 denunciados desempenharam diferentes funções na organização criminosa e se dividiram em quatro grupos: empresarial, operacional, político e administrativo.
Nove denunciados integram o grupo que cuidava da parte empresarial: Roberto Ribeiro Capobianco, Ricardo Pernambuco Backheuser Júnior, Ricardo Backheuser Pernambuco, José Antônio Marsílio Schwarz, José Aldemário Pinheiro Filho, Genésio Schiavinato Júnior, Erasto Messias da Silva Júnior, Edison Freire Coutinho e Agenor Franklin Magalhães Medeiros.
Já no grupo que coordenava a parte operacional, foram denunciados Adir Assad, Rodrigo Morales e Roberto Trombeta, além de Alexandre Correia de Oliveira Romano, advogado que firmou acordo de delação premiada. Eles cuidavam  do pagamento de vantagens indevidas entre o núcleo empresarial e o núcleo político, além de montarem o esquema de lavagem do dinheiro proveniente dos crimes cometidos.
O ex-tesoureiro do PT, Paulo Adalberto Alves Ferreira, representou o núcleo político nos fatos e também é alvo da denúncia. Renato de Souza Duque, ex-diretor da Petrobras também foi denunciado pela força-tarefa.
Foram realizadas operações de lavagem de dinheiro por meio de 19 contratos falsos que envolveram 12 pessoas jurídicas e 2 pessoas físicas diferentes, totalizando montante superior a 7,5 milhões de reais, segundo a denúncia. Ainda foram identificados depósitos em favor de 1 pessoa jurídica e 13 pessoas físicas indicadas por Ferreira totalizando mais de 300 mil reais. Por fim, as transações ilícitas no exterior somaram o valor de 711 mil dólares e foram realizadas por meio de contas na Suíça abertas em nome das offshores Cliver Group Ltd., Kindai Financial Ltd. e Mayana Trading Corp.
O procurador da República Roberson Pozzobon, destaca que onze dos quinze denunciados são acusados pela primeira vez na Operação Lava Jato. “Entre os nomes estão um ex-tesoureiro do PT bem como três administradores de empresas cujos executivos ainda não tinham sido denunciados perante o Juízo da 13.ª Vara da Seção Judiciária do Paraná: Construcap e Construbase. Isso evidencia que as investigações da Lava Jato continuam em expansão”.
Provas documentais, como contratos fictícios e notas fiscais frias, somadas a depoimentos de colaboradores, apontaram que Ferreira era o beneficiário de recursos oriundos de empreiteiras contratadas pela Petrobras. Não bastassem esses elementos, o próprio ex-tesoureiro do PT reconheceu que solicitou ao advogado operador do esquema que fizesse pagamentos no seu interesse.

9 de ago de 2016

PF intima Marisa Letícia para depor sobre sítio de Atibaia

Laudo enviado pela polícia ao juiz Sergio Moro mostra que Lula e ex-primeira-dama orientaram obras pagas pela OAS

A Polícia Federal decidiu intimar a ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva para dar explicações sobre a reforma do sítio em Atibaia (SP). Ela terá que depor nas investigações da Operação Lava Jato.
O sítio de Atibaia pertenceria na verdade ao ex-presidente Lula e a dona Marisa. Laudo enviado pela polícia ao juiz Sergio Moro no final do mês passado mostra que Lula e dona Marisa orientaram as reformas no sítio. As reformas foram pagas pela Construtora OAS, uma das empresas envolvidas no cartel que desviou recursos de contratos da Petrobras e que distribuía propina para políticos.
Também deverão se apresentar para depor os empresários Jonas Leite Suassuna Filho e Fernando Bittar, que registraram o sítio em seus nomes.
Além de colher os depoimentos de dona Marisa e dos dois empresários, o delegado Márcio Anselmo requisitou exame econômico-financeiro sobre a movimentação financeira dos dois empresários do sítio e de filhos de Lula: Fábio Luís e Luis Cláudio.

8 de ago de 2016

Airbus é investigada por corrupção no Reino Unido

Denúncias envolvem consultores terceirizados da fabricante francesa de aeronaves; inquérito do britânico Serious Fraud Office foi aberto em julho

O Reino Unido abriu em julho uma investigação criminal por suspeitas de corrupção, pagamento de propina e fraude envolvendo a fabricante de aeronaves francesa Airbus. O processo foi aberto pelo Serious Fraud Office (Escritório de Fraudes Graves, em tradução livre), pertencente ao governo britânico. O órgão é parte do sistema judiciário do Reino Unido e investiga casos que considera de alta complexidade, concentrando-se em denúncias que possam causar grande impacto, como aquelas envolvendo grandes prejuízos ou novas modalidades de fraude, por exemplo. As suspeitas contra a Airbus envolvem consultores terceirizados da empresa, disse o SFO em nota à reportagem de VEJA.
A Airbus confirmou, por meio de um comunicado, a abertura da investigação e disse que “vai cooperar com o SFO”, segundo informações da agência de notícias France-Presse. A empesa francesa é uma das líderes na produção de aviões comerciais, ao lado da americana Boeing, e faturou 64 bilhões de euros em 2015.

6 de ago de 2016

Uber da hospedagem, site Airbnb traz 66 mil turistas para Rio 2016

Locação de quartos e imóveis por meio de site é opção econômica para turista e lucrativa para anfitrião

Marlos Mendes
Rio - Os juros sobem, o pagamento do Estado atrasa, as contas a pagar se acumulam sobre a mesa, assim como as tranqueiras naquele "quartinho da bagunça" e o abandono do quarto do filho que foi estudar em outro estado, casou, ou simplesmente bateu asas. Dois problemas. Ou um problema e uma solução. Muitos brasileiros já descobriram como fazer espaço que está sobrando — ou até mesmo a casa inteira — render uma graninha extra e ajudar no orçamento. Dos turistas que virão ao Rio para a olimpíada, mais de 66 mil ficarão hospedadas em casas de pessoas que se tornaram anfitriões por temporada. A senha do sucesso: Airbnb
Os bês significam para "bed and breakfast" (cama e café da manhã), sigla conhecida no exterior como sinônimo de hospedagem mais em conta que hotel tradicional e que começa a entrar no vocabulário do brasileiro. O site chegou com a Copa de 2010 e é parceiro oficial da Rio 2016. A ideia por trás do site é a "economia de compartilhamento". Soa familiar? E é. O Airbnb é como um Uber para hospedagem. O site conecta pessoas que buscam acomodações com outras que podem oferecê-las, oferece um sistema de pagamentos por cartão de crédito ou boleto, e um sistema de reputação em que visitantes e anfitriões comentam suas experiências. Uma alternativa econômica e lucrativa que não esbarrou na legislação em vigor. No mundo, são 2 milhões de acomodações em 34 mil cidades espalhadas por 191 países.
Leonardo Tristão, diretor geral no Brasi e Joe Gebbia, co-fundador e CTO do Airbnb
Foto: Divulgação
Mas quem hospedaria estranhos em casa? No Rio de Janeiro são 21.500 anfitriões (53% mulheres) e 33 mil anúncios ativos. A maioria deixa o imóvel todo para os hóspedes (75% dos anúncios) e menos de um terço disso (23% dos anúncios) oferece quarto privativo. A média de idade do anfitrião airbnb no Rio é de 42 anos, e ganho anual de R$ 7.000. Entre os hóspedes (metade brasileiros), a média é de 3 pessoas por reserva e 6 dias de estadia. Segundo o Airbnb, esse público vai gerar R$ 81 milhões para os anfitriões e deixar R$ 247 milhões na cidade.
A história do airbnb remete ao sonho de todo empreendedor da área de tecnologia. Em 2008, Joe teve a ideia de alugar o espaço que estava sobrando em seu apartamento em São Francisco. Passou alguns apertos, como toda start up, conseguiu financiamento, cresceu, bombou e hoje está em 191 países. A Copa de 2010 foi a primeira etapa no Brasil. A demanda por hospedagem criada pela Rio 2016 caiu como uma luva. "Pelo tamanho do evento, fazia sentido acomodar as pessoas em casas que já existem. E o que pode ser melhor para um turista do que ser recebido por um carioca", comentou Joe Gebbia, co-fundador e CTO do Airbnb em encontro com jornalistas no Rio (numa casa que é alugada pelo site, claro).
O maior desafio para um público preocupado com segurança como o carioca deve ser convencer os novos usuários de que o serviço é seguro. Segundo Leonardo Tristão, dirertor geral do Airbnb no Brasil, a empresa tem como pilares de segurança o sistema de pagamentos e de comentários. "O anfitrião só recebe 24 horas após o check-in. E há um seguro de até 1 milhão de dólares para o imóvel", explica. Nas contas do Airbnb, há uma queixa de anfitrião por dano a cada 105 mil hospedagens. "A plataforma me dá total segurança. Já recebi 103 convidados e nunca apareceu um risco de caneta na minha casa", conta Eliana Gringo, moradora de Ipanema que, mantém perfil no site com o marido Savério.
Após as olimpíadas, o objetivo é se consolidar como opção para o turismo doméstico. Se na Copa o público era principalmente estrangeiro e na olimpíada a divisão foi quase meio a meio, a partir de agosto as reservas de brasileiros, principalmente famílias, devem aumentar. Afinal, a olimpíada passa logo, mas fica a vocação do Rio de Janeiro para o turismo, e aquela necessidade de um reforço no orçamento.

5 de ago de 2016

Cerimônia de abertura organizada com orçamento reduzido

festaolimpiada01082016
A cerimônia de abertura da Olimpíada do Rio, prevista para começar às 20h desta sexta-feira, no Maracanã, vai celebrar a cultura da gambiarra artística. Com um orçamento reduzido drasticamente nos últimos dois anos, o evento – que terá shows unindo Caetano, Gil e Anitta, além de efeitos visuais em telas de LED – precisou se adaptar às novas condições econômicas do País, o que implicou na busca de alternativas mais baratas.
“A cerimônia é uma imensa gambiarra”, comentou Mario Andrada, diretor de comunicação do Rio-2016, em entrevista coletiva na manhã desta quinta-feira. Mas ressalvou: “Há uma grande diferença entre gambiarra e jeitinho”. Melhor explicando: ao invés de improviso, a equipe criativa – formada pelos cineastas Fernando Meirelles e Andrucha Waddington, a diretora e cenógrafa Daniela Thomas e a coreógrafa Deborah Colker – precisou encontrar soluções que compensassem o enxugamento do orçamento.
“Em dois anos de trabalho, chegamos a ter quatro projetos para a cerimônia e fizemos muita visita ao Saara”, brincou Waddington, referindo-se à conhecida zona de comércio popular no Rio, onde foram comprados quilos e quilos de tecidos. “Mas, no final, percebemos que muito do que foi originalmente criado acabou permanecendo”, acrescentou Daniela.
A equipe baseou seu trabalho em três pilares. O primeiro, representado por um jardim, traduz o valioso ecossistema nacional. “Queremos aqui mostrar que somos um povo que pensa que a grama do jardim do vizinho é mais verde”, afirmou Abel Gomes, diretor artístico executivo da Cerimônias Cariocas, união entre a agência SRCOM e a holding italiana de eventos Filmmaster Group, responsável pelas cerimônias de abertura e encerramento. “Passaremos um recado para o mundo sobre o futuro.”
O segundo pilar trata da diversidade racial. “Vamos mostrar que o Brasil é um país onde um católico, um judeu e um muçulmano, depois de se conhecerem, já tomam uma cerveja juntos”, comparou Meirelles. “Buscamos as semelhanças e celebramos as diferenças.” Finalmente, o terceiro pilar pretende traduzir o jeito de viver do brasileiro pelo sorriso cravado nos rostos, indestrutível mesmo diante de adversidades.
Todo o trabalho foi obrigatoriamente adaptado às condições e restrições do Maracanã. “É um estádio para o futebol, ou seja, os portões não são altos, o que impediu que criássemos um espetáculo como o carnaval e seus carros alegóricos”, contou Daniela Thomas, exímia criadora de cenários para peças e filmes. “Daí surgiu o espetáculo da gambiarra, pois não tínhamos como fazer, mas tínhamos de fazer.” Daniela crê no poder criativo da gambiarra ao longo dos tempos. “Desde o tempo dos gregos e romanos, quando os recursos eram mínimos, os jogos são puro entretenimento.”
Por conta disso, os cenários vão ser mais verticais que horizontais e servirão como anteparos que ajudarão no ritmo da festa, ou seja, vão auxiliar a “esconder” os voluntários (cerca de 5 mil no total) que atuarão no número seguinte. A tecnologia também será uma poderosa aliada, especialmente com o uso do video mapping, técnica que, de forma simplificada, é a capacidade de se adaptar um material de vídeo a estruturas volumétricas. Essa tecnologia permitirá um jogo entre o corpo de baile e sua coreografia com a dinâmica de imagens e luzes que um video mapping pode proporcionar.

A equipe criativa resistiu a revelar segredos, pretendendo manter intacta a surpresa do público, que se dividirá entre as cerca de 50 mil pessoas no estádio e aproximadamente de 3 bilhões de espectadores ao redor do mundo. Mesmo assim, um dos principais acabou divulgado: a criação de uma nova área verde no Rio, a Floresta dos Atletas, no Parque Radical, em Deodoro. Ela será criada com mais de 10 mil mudas de 207 espécies nativas do País, cada espécie representando uma delegação. Ao entrar no estádio, cada atleta receberá a semente de uma árvore de a plantará em um tubete com terra. “Creio que esse será um dos gestos que vai marcar essa cerimônia”, observa Daniela.
Haverá ainda uma releitura dos clássicos da MPB, como Construção, de Chico Buarque. Outras novidades acabaram reveladas nos últimos dias, como a presença da atriz inglesa Judi Dench que, ao lado de Fernanda Montenegro, vão ler versos de Carlos Drummond de Andrade. “Ela adorou o poema e aceitou vir como voluntária”, contou Meirelles, que foi veemente ao negar a existência de um quadro que simule um rapaz assaltando a modelo Gisele Bündchen. “Jamais pensamos nisso. É uma tremenda bobagem.”

4 de ago de 2016

Novo golpe no WhatsApp usa pacote de emotions românticos

Criminosos induzem os usuários a se inscreverem em serviços de mensagens pagas
Criminosos usam emotions românticos para aplicar golpe ( Foto: Divulgação )
A ESET, fornecedora de soluções de segurança pioneira em proteção proativa, identificou um novo tipo de golpe disseminado no Brasil por meio de mensagens do WhatsApp. Na ação, os cibercriminosos usam um falso pacote de emoticons românticos para induzir os usuários a, sem saber, se inscreverem em serviços de mensagens pagas.
Na ação, o usuário recebe um link falso e é informado que, para instalação dos novos emoticons, deve compartilhar a mensagem com dez pessoas ou em três grupos diferentes do WhatsApp. Ao realizar a ação de compartilhar o link com seus contatos, o usuário é direcionado para uma página de publicidade legítima ou para registro de serviços pagos não solicitados.
Para obter o falso pacote de emoticons, a vítima acaba se cadastrando em um serviço pago, pelo qual os cibercriminosos recebem uma comissão.
Para garantir a eficácia do golpe e sua viralização, o sistema usado pelos cibercriminosos utiliza um agente que verifica o navegador do usuário, a fim de garantir que o acesso seja realizado a partir de um dispositivo móvel.
Além disso, para se proteger e manter o anonimato, os fraudadores registraram o domínio sob a proteção do Domains by Proxy, a qual evita a publicação do nome e contatos dos criadores do domínio.
Para evitar cair em golpes, veja algumas dicas:
1 – Atualize o sistema operacional e aplicativos: é sempre recomendável manter atualizadas as últimas correções de segurança e do sistema operacional dos dispositivos móveis, com o intuito de evitar a propagação de ameaças, por meio de vulnerabilidades encontradas nas versões anteriores.
2 – Evite a execução de arquivos suspeitos: a propagação de malware geralmente é realizada por meio de arquivos executáveis. É aconselhável evitar a execução de quaisquer arquivos, a menos que se conheça a procedência de sua segurança e sua fonte seja confiável.
3 – Utilize soluções de segurança adequadas: o antivírus é uma das aplicações mais importantes para a proteção do smartphone contra as principais ameaças que se propagam pela internet. O uso dessas tecnologias reduz o risco e a exposição às ameaças.
4 – Use senhas fortes: é recomendável o uso de senhas com diferentes tipos de caracteres (letras, números e caracteres especiais) e com tamanho não inferior a oito caracteres. Além disso, os usuários devem trocá-las periodicamente.
5 – Proteja-se de usuários inconvenientes: vale a pena bloquear usuários, relatar publicações ofensivas ou spam e denunciar usuários falsos e conteúdos inadequados.
6 – Desconfie de promoções enviadas pelo WhatsApp: os usuários devem ficar atentos a mensagens que prometem cupons de descontos e prêmios enviadas por WhatsApp. De forma geral, elas têm o objetivo de disseminar ameaças virtuais

3 de ago de 2016

Sem verba, 60% da Frota da FAB está no chão

Os cortes no orçamento impostos pela equipe econômica obrigaram a Força Aérea Brasileira (FAB) a deixar mais da metade da sua frota de aviões no chão. Hoje, dos 600 aviões que a Aeronáutica dispõe, apenas 250 estão prontos para emprego, ou seja, 41%. Outro problema é a disponibilidade de recursos para a Força Aérea voar. Em 2016, os pilotos voarão menos do que 100 mil horas, quase 35% menos que o mínimo necessário para manter a operacionalidade da FAB, que seria 150 mil horas/ano. Em 2015, a cota já havia caído para 130 mil horas.
De acordo com o comandante da Aeronáutica, brigadeiro Nivaldo Rossatto, a valorização do real frente ao dólar e o aumento do preço do querosene de aviação foram dois fatores que “afetaram tremendamente” o orçamento da FAB. Essa redução, disse, tem reflexos diretos no treinamento dos pilotos, no apoio que a Aeronáutica dá ao Exército e à Marinha, no suporte às atividades dos governantes, seja no transporte de autoridades, de órgãos e até no atendimento aos índios.
Tráfego aéreo
O comandante advertiu ainda que os cortes no orçamento vêm afetando até mesmo o sistema de controle do tráfego aéreo do País. Uma das medidas já adotadas foi a suspensão, por economia, de funcionamento de cinco radares meteorológicos. Segundo ele, a médio prazo, isso pode afetar o sistema, que terá de deixar de investir em modernização de equipamentos. O brigadeiro Rossatto lembrou que, quando o presidente em exercício Michel Temer assumiu, houve descontingenciamento. “Mas ainda estamos com recursos abaixo do que precisamos para capacitação de pessoal e modernização de equipamentos”, disse.
Rossatto disse que a FAB vai procurar o Tribunal de Contas da União (TCU) para pedir que o órgão volte a fazer a ressalva que proíbe contingenciamentos nesse setor, pela sua importância estratégica.
Segundo Rossatto, a FAB é responsável por 22 milhões de quilômetros quadrados de tráfego aéreo, sendo 10 milhões do Atlântico Sul, que são responsabilidade do Brasil. Em 2015, a FAB gastou R$ 358,35 por quilômetro quadrado, o que significa um gasto de menos de R$ 1 por quilômetro quadrado por dia.
Para os Jogos Olímpicos no Rio, no entanto, o brigadeiro afirmou que não haverá qualquer tipo de problema no tráfego aéreo em decorrência desses cortes orçamentários. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

2 de ago de 2016

Corrupção no palanque

Investigações encaminhadas pelo TSE ao Supremo Tribunal Federal revelam novos crimes nas campanhas de Dilma. A presidente afastada não consegue se defender e apresenta uma série de versões contraditórias

Corrupção no palanque
CRIME ELEITORAL? Gilmar Mendes, presidente do TSE, aguarda decisão do STF para saber como será o andamento das investigações sobre as campanhas de Dilma
CRIME ELEITORAL? Gilmar Mendes, presidente do TSE, aguarda decisão do STF para saber como será o andamento das investigações sobre as campanhas de Dilma (Crédito: Adriano Machado/Ag. Istoé)
Os fatos revelados nos últimos dias sobre a origem dos recursos usados nas campanhas presidenciais de Dilma Rousseff desmentem categoricamente a versão apresentada pela presidente afastada. Desde que a operação Lava Jato passou a desvendar a corrupção que o PT e seus aliados institucionalizaram no País, Dilma insiste em se definir como uma pessoa honesta, alheia a todos os crimes praticados em sua gestão. Agora, a comprovação de que milhões desviados da Petrobras abasteceram suas campanhas reforçam as acusações existentes na Justiça Eleitoral e remetem a presidente afastada para a alçada da justiça criminal. O presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministro Gilmar Mendes, já encaminhou para o STF uma série de documentos e perícias que demonstram a prática de crimes nas campanhas petistas. Caberá ao ministro Edson Fachin determinar o andamento do processo. “O que estamos verificando são crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Não se trata apenas de caixa dois eleitoral”, disse Mendes a interlocutores na última semana.

“Sem o meu conhecimento”

As novas provas contra Dilma vêm à tona exatamente no momento em que se aproxima a votação definitiva do impeachment pelo plenário do Senado, o que praticamente chancela o destino da presidente afastada. Diante dos fatos concretos apresentados pelos técnicos do TSE e nos contundentes depoimentos colhidos pela operação Lava Jato, Dilma passou a última semana se embaralhando em uma sucessão de versões que se modificam a cada dia. Desde o início das investigações, ela afirma que não houve irregularidades em suas campanhas. Na sexta-feira 22, depois de o marqueteiro João Santana revelar ter recebido no Exterior US$ 4,5 milhões de um dos operadores do Petrolão para saldar dívidas da eleição de Dilma, a presidente afastada mudou o tom do discurso. “Se houve caixa dois em minha campanha foi sem o meu conhecimento”, afirmou Dilma, como se fosse possível supor que a titular da disputa eleitoral nada soubesse sobre os maiores pagamentos feitos a seu staff mais próximo. Na quarta-feira 27, a presidente afastada apresentou uma terceira versão. Desta vez jogou a responsabilidade para o PT. “Ele (João Santana) disse que recebeu em 2013. A campanha foi encerrada em 2010 e a partir do momento em que é encerrada, tudo o que ficou pendente de pagamento passa a ser responsabilidade do partido”, disse Dilma. Ela nada comentou sobre o fato de o dinheiro usado para saldar a dívida com o marqueteiro ter origem em desvios praticados na Petrobras, durante seu mandato. Também nada afirmou sobre o pagador ser um dos operadores do Petrolão, já identificado e preso pela Lava Jato. “Quem tratou essa questão (o pagamento de US$ 4,5 milhões) com ele (João Santana) foi a tesouraria do PT”, disse Dilma.
Além dos criminosos pagamentos feitos ao marqueteiro, o TSE encontrou novos indícios de crime na prestação de contas da última campanha de Dilma. Depois de verificar que as gráficas Focal, VTPB e Red Seg receberam R$ 52 milhões por serviços jamais prestados à campanha, como revelado por ISTOÉ, ficou comprovado, na última semana, que a DCO Informática, de Uberlândia (MG), recebeu R$ 4,8 milhões também sem realizar serviço algum. Em tese, a empresa foi contratada para enviar mensagens de apoio a Dilma, via WhatsApp, durante a disputa eleitoral. As investigações do TSE mostraram que a empresa funciona em uma residência, não tem identificação na fachada, possui apenas um computador e três funcionários temporários. Aos investigadores, diretores da DCO disseram ter repassado a missão para a 2K Comunicações, empresa que pertence a Keffin Gracher, um ex-assessor do ex-ministro Edinho Silva, que foi o tesoureiro da campanha petista de 2014. “É evidente que usaram a campanha para lavar dinheiro desviado do Petrolão e poderá haver punição também na esfera penal”, afirmou o ministro Gilmar a um colega do TSE.

1 de ago de 2016

Cidades têm domingo de protestos contra Dilma e contra Temer

Manifestações foram convocadas por movimentos sociais e sindicatos.
Atos tiveram críticas ao governo Temer e apoio ao impeachment de Dilma.

Do G1, em São Paulo
Protestos Paulista e Largo da Batata (Foto: Will Soares e Roney Domingos/G1)Em São Paulo, atos se concentraram na Avenida Paulista e no Largo da Batata
(Foto: Will Soares e Roney Domingos/G1)
Manifestantes realizaram atos contra o presidente em exercício Michel Temer, e contra a presidente afastada Dilma Rousseff, em 20 estados e no Distrito Federal ao longo deste domingo (31). As manifestações contra Dilma aconteceram em 20 estados e no Distrito Federal, e em 15 estados e no Distrito Federal, manifestantes protestaram contra Temer.
Atos ocorriam no Acre, em Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Tocantins e no Distrito Federal.
As manifestações foram convocadas por movimentos sociais e sindicatos. Além de críticas ao governo interino e apoio ao impeachment, alguns atos também declararam apoio a reivindicações específicas, como as investigações da Lava Jato, a autonomia da Polícia Federal e o fim da corrupção.
Veja como foram os protestos por estado:
Acre
Em Rio Branco, capital do Acre, grupo de sete pessoas se reúne em frente a sede da Assembleia Legislativa do estado para participar de protesto contra a presidente afastada Dilma Rousseff e em apoio a operação Lava Jato (Foto: Quésia Melo/G1)Grupo se reúne em Rio Branco para protesto convocado pelo Vem Pra Rua (Foto: Quésia Melo/G1)
Em Rio Branco, capital do Acre, um grupo de sete pessoas se reuniu em frente à sede da Assembleia Legislativa do estado às 16h. Eles são contrários à presidente afastada Dilma Rousseff e favoráveis à operação Lava Jato.

Alagoas
Maceió foi palco de atos contra Dilma e contra Temer neste domingo.
Maceió teve protestos contra Dilma e contra Temer neste domingo (Foto: Suely Melo/G1 e Jonathan Lins/G1)Maceió teve protestos contra Dilma e contra Temer neste domingo (Foto: Suely Melo/G1 e Jonathan Lins/G1)
Uma mobilização contra Dilma e contra a corrupção no país foi realizada durante a manhã em frente ao Corredor Vera Arruda, na orla de Maceió. De acordo com a organização do Movimento Brasil, que está à frente da mobilização, cerca de 1,2 mil pessoas compareceram ao evento. Para a Polícia Militar, que também acompanhou o ato, o número registrado foi de aproximadamente 1 mil manifestantes. A manifestação acabou por volta das 13h.
O ato a favor de Dilma foi encabeçado pelos coletivos “Cultura contra o golpe em Alagoas” e Mulheres pela Democracia”, que informaram que diversas atividades culturais serão realizadas durante o evento, como performances culturais e oficina de cartazes.

Amazonas
Em Manaus, manifestantes foram às ruas em protestos para pedir o impeachment de Dilma e para pedir a saída de Temer.
Manaus teve protestos contra Dilma e contra Temer neste domingo (Foto: Reprodução/TV Amazonas e Adneison Severiano/G1 AM)Manaus teve protestos contra Dilma e contra Temer neste domingo (Foto: Reprodução/TV Amazonas e Adneison Severiano/G1 AM)
Em Manaus, um protesto em favor da presidente afastada teve início às 10h (horário de Brasília). A manifestação percorreu os bairros Amazonino Mendes e São José, nas Zonas Norte e Leste de Manaus, respectivamente. A organização não quis estimar um número de participantes.
De tarde, manifestantes se reuniram na Zona Oeste de Manaus, em protesto contra Dilma. Os manifestantes se concentraram no Complexo Turístico da Ponta Negra. O ato teve início por volta das 16h30. Nem os organizadores nem a Polícia Militar divulgaram o número de participantes.

Bahia
A capital, Salvador, foi palco da manifestações a favor e contra Dilma Rousseff.
Salvador teve protestos contra Dilma e contra Temer neste domingo (Foto: Juliana Almirante/G1 e Alan Alves/G1)Salvador teve protestos contra Dilma e contra Temer neste domingo (Foto: Juliana Almirante/G1 e Alan Alves/G1)
Manifestantes se reuniram em frente ao Farol da Barra, pela manhã, em mobilização a favor do afastamento definitivo de Dilma e em apoio à Lava Lato. Segundo os organizadores, havia 1.500 pessoas no local. A Polícia Militar calculou 400 manifestantes. A mobilização durou cerca de duas horas.
Durante a tarde, outro grupo de manifestantes foi às ruas de Salvador para pedir a saída de Temer e a volta de Dilma à Presidência. Após concentração no Campo Grande, eles caminhavam, após as 16h, pelo Corredor da Vitória, centro da capital baiana.
Em Ilhéus, na região sul da Bahia, uma carreata também pediu o afastamento definitivo de Dilma. Segundo a PM, 25 veículos participaram. Os organizadores disseram que 42 veículos estavam na mobilização.

Ceará
Protestos contra Dilma e contra Temer foram registrados em Fortaleza.
Fortaleza teve protestos contra Dilma e contra Temer neste domingo (Foto: TV Verdes Mares/Reprodução e Alessandro Torres/TV Verdes Mares)Fortaleza teve protestos contra Dilma e contra Temer neste domingo (Foto: TV Verdes Mares/Reprodução e Alessandro Torres/TV Verdes Mares)
Durante a tarde deste domingo, manifestantes se concentraram no Bairro Praia de Iracema, em Fortaleza, para pedir a saída do governo interino de Michel Temer. A estimativa da organização é de cerca de 4 mil pessoas presentes. A Polícia Militar informou que não vai realizar levantamento de número de participantes.
O ato contra Dilma se concentrou na Praia de Iracema. De acordo com os organizadores, cerca de duas mil pessoas participam da manifestação, iniciada às 17h deste domingo (31). A Polícia Militar afirmou que não iria divulgar estimativa de público presente.

Distrito Federal
Manifestantes pedem o afastamento definitivo de Dilma em ato na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, na manhã deste domingo (31) (Foto: Renan Ramalho/G1)Manifestantes pedem o afastamento definitivo de Dilma em ato na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, na manhã deste domingo (31) (Foto: Renan Ramalho/G1)
Manifestantes foram à Esplanada dos Ministérios, em Brasília, na manhã deste domingo para pedir o afastamento definitivo de Dilma Rousseff e prestar apoio à Operação Lava Jato. Parte dos participantes se concentrou no Museu da República, enquanto outro grupo foi para o Congresso Nacional. Os primeiros manifestantes chegaram à Esplanada pouco antes das 10h. Segundo a Polícia Militar, 5 ml pessoas estiveram no local durante todo o ato. No auge, foram 4 mil participantes, diz a corporação. Os organizadores afirmam que foram 6 mil.
Também pela manhã, houve um protesto contra o governo do presidente em exercício Michel Temer e a favor do governo Dilma, em Planaltina. Segundo a Polícia Militar, 40 pessoas estiveram no ato. Os manifestantes não informaram o número de participantes. Durante o ato, eles fizeram caminhada e distribuíram panfletos a moradores. Um carro de som acompanhou o grupo.

Espírito Santo
Manifestantes pró-Dilma e pró-Temer foram às ruas em Vitória e Vila Velha neste domingo.
No Espírito Santo, protestos contra Dilma e contra Temer ocorreram em Vila Velha e Vitória (Foto: Frente Brasil Popular ES/ Divulgação e Reprodução/ TV Gazeta)No Espírito Santo, protestos contra Dilma e contra Temer ocorreram em Vila Velha e Vitória (Foto: Frente Brasil Popular ES/ Divulgação e Reprodução/ TV Gazeta)
Manifestantes que defendem a saída do presidente em exercício Michel Temer e a volta de Dilma Rousseff à Presidência fizeram uma carreata em Vitória. A "Frente Brasil Popular ES" disse que a carreata teve a participação de 43 carros. Em nota, a Secretaria de Segurança Pública do Espírito Santo (Sesp) informou que a Polícia Militar não registrou o número de participantes.
Em Vila Velha, e também em Vitória, manifestantes que defendem a saída definitiva da presidente afastada se concentravam para um protesto a partir das 16h. Os organizadores estimam a participação de 500 pessoas. Um policial militar que estava no local informou que 410 pessoas participam do ato. Até as 18h, a Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp) não havia informado uma estimativa de participantes.

Goiás
Em Goiás, manifestantes contra Temer e contra Dilma também se reuniram.
Manifestantes fazem ato contra Temer, pela manhã, e contra Dilma, a tarde, em Goiânia (Foto: Vitor Santana/G1 e Sílvio Túlio/G1)Manifestantes fazem ato contra Temer, pela manhã (esq.), e contra Dilma, à tarde, em Goiânia
(Foto: Vitor Santana/G1 e Sílvio Túlio/G1)
De manhã, a capital, Goiânia, teve um protesto contra o presidente em exercício. Segundo a organização, o protesto reuniu 500 pessoas. A Polícia Militar não informou a quantidade de manifestantes.
Pela tarde, um grupo se reuniu para se manifestar em defesa do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, também na capital. Segundo os organizadores, 1,5 mil pessoas participam do protesto. Já a PM calcula que 400 fazem presença na manifestação.
Em Rio Verde, na região sudoeste de Goiás, um grupo promoveu um ato contra a corrupção. Nas duas cidades os atos foram pacíficos.

Maranhão
Em São Luís, o domingo foi marcado por atos contra Dilma e contra Temer.
São Luís teve protestos contra Dilma e contra Temer neste domingo (Foto: Alex Barbosa/ TV Mirante e Alex Barbosa/ TV Mirante)São Luís teve protestos contra Dilma e contra Temer neste domingo
(Foto: Alex Barbosa/ TV Mirante e Alex Barbosa/ TV Mirante)
Cerca de 200 pessoas, segundo os organizadores, participaram de um protesto em apoio ao impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff na manhã deste domingo, em São Luís. O protesto começou por volta das 9h30, na Avenida Litorânea. Com faixas e carro de som, os manifestantes gritaram palavras de ordem e enfatizaram o combate à corrupção.
O grupo favorável ao retorno de Dilma à Presidência também se reuniu na Avenida Litorânea. Cerca de 30 pessoas se reuniam no protesto, e seguravam cartazes com os dizeres “Fora Temer”. Houve um princípio de tumulto entre os dois grupos de manifestantes.

Minas Gerais
Dois protestos se concentraram em praças diferentes de Belo Horizonte neste domingo.
Belo Horizonte teve dois protestos neste domingo (31) (Foto: Reprodução TV Globo/Humberto Trajano G1)Belo Horizonte teve dois protestos neste domingo (31) (Foto: Reprodução TV Globo/Humberto Trajano G1)
Na Praça da Liberdade, manifestantes pediram o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff (PT). Já o protesto que se concentrou na Praça Sete e terminou na Praça da Estação defendeu a saída do presidente em exercício Michel Temer (PMDB) e a volta de Dilma à Presidência.
No Interior do estado, houve protestos contra Dilma em Coronel Fabriciano, Juiz de Fora, Lavras, Montes Claros, Ouro Fino, Três Corações, Uberaba e Varginha.

Mato Grosso
Manifestantes em Cuiabá colocaram um boneco do juiz federal Sérgio Moro vestido de Superman (Foto: André Souza/G1)Manifestantes em Cuiabá colocaram um boneco do juiz federal Sérgio Moro vestido de Superman (Foto: André Souza/G1)
Um protesto em Cuiabá contra a presidente afastada Dilma Rousseff teve bonecos 'Pixuleco' do ex-presidente Lula, de Dilma e um boneco inflável do juiz federal Sérgio Moro vestido de Superman. Os organizadores calcularam a presença de 300 pessoas. A Polícia Militar estimou a participação de 200 manifestantes.

Mato Grosso do Sul
Protesto em Campo Grande (Foto: Ronie Cruz/G1)Protesto em Campo Grande (Foto: Ronie Cruz/G1)
Em Mato Grosso do Sul, duas cidades tiveram manifestação a favor do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. Além de Campo Grande, Três Lagoas que fica na região leste do estado, reuniu dezenas de pessoas para pedir a saída da petista.

Pará
Manifestantes protestaram contra e a favor do impeachment em Belém neste domingo.
Em Belém aconteceram atos contra Dilma e contra Temer neste domingo (Foto: Thais Rezende/G1 Pará)Em Belém aconteceram atos contra Dilma e contra Temer neste domingo (Foto: Thais Rezende/G1 Pará)
Um grupo de manifestantes protestou, de manhã, contra a corrupção, desemprego e a inflação, apoiando o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. A marcha, que estava prevista para começar 8h, saiu da concentração na escadinha da Estação das Docas por volta de 10h20, seguindo pela avenida Presidente Vargas até a Visconde de Souza Franco, onde o protesto se dispersou por volta de 11h40.
Outro grupo de manifestantes se reuniu na Praça da República para protestar contra o governo do presidente em exercício Michel Temer. Homens da Polícia Militar pediram a saída destes manifestantes da praça, alegando que o protesto não havia sido agendado e, por conta disso, não disponibilizaram efetivo policial para garantir a segurança deste grupo. Houve bate-boca e os policiais tiveram de fazer um cordão de isolamento humano para impedir o contato entre as duas manifestações.

Paraíba
Manifestantes se reúnem no Busto de Tamandaré para protesto em João Pessoa (Foto: Juliana Brito)Manifestantes se reúnem no Busto de Tamandaré para protesto em João Pessoa (Foto: Juliana Brito)
Manifestantes do movimento Direita Paraibana se  reuniram no Busto de Tamandaré, em João Pessoa, em apoio à Operação Lava Jato, à Polícia Federal e ao movimento "Escola Sem Partido". O ato público também defende o afastamento definitivo da presidente Dilma Rousseff e a instauração de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para fins de investigação da União Nacional dos Estudantes (UNE).

Pernambuco
Em Recife, manifestantes pró-impeachment se reuniram durante a manhã, e um ato contra Temer e a favor de Dilma foi realizado durante a tarde.
Recife teve protestos contra Dilma e contra Temer neste domingo (Foto: Marlon Costa/Futura Press/Estadão Conteúdo e Marlon Costa/Pernambuco Press)Recife teve protestos contra Dilma e contra Temer neste domingo (Foto: Marlon Costa/Futura Press/Estadão Conteúdo e Marlon Costa/Pernambuco Press)
De acordo com os organizadores da manifestação a favor do impeachment de Dilma Rousseff, 30 mil pessoas participam do ato na Avenida Boa Viagem. Por meio da assessoria de imprensa, a Polícia Militar de Pernambuco informou que não divulgará estimativa de público presente no evento.
A Frente Povo Sem Medo, que organizou o ato pró-Dilma, afirmou que 2 mil pessoas participaram da manifestação, na Praça do Derby, área central do Recife. A PM pernambucana disse que não divulgará estimativa sobre o público presente.

Paraná
No Paraná, protestos contra Dilma e contra Temer ocorreram em várias cidades.
Curitiba teve protestos contra Dilma e contra Temer neste domingo (Foto: Amanda Menezes/RPC e Luiza Vaz/RPC)Curitiba teve protestos contra Dilma e contra Temer neste domingo (Foto: Amanda Menezes/RPC e Luiza Vaz/RPC)
Em Curitiba, uma manifestação a favor do impeachment de Dilma reuniu entre 15 mil e 20 mil pessoas, segundo a organização. A Polícia Militar do Paraná informou que o protesto reuniu 25 mil manifestantes.
O ato em defesa da presidente afastada teve a participação de entre 500 e 600 pessoas, segundo os organizadores, e 250 pessoas, segundo a PM.
Protestos contra Dilma também aconteceram em Cascaval, Maringá, Ponta Grossa, Foz do Iguaçu e Londrina. Em Ponta Grossa e Maringá, houve também manifestações contra o presidente em exercício Michel Temer.

Rio de Janeiro
No Rio, atos contra Dilma e contra Temer ocuparam as ruas neste domingo.
Rio de Janeiro teve protestos contra Dilma e contra Temer neste domingo (Foto: Silvia Izquierdo/AP e G1)Rio de Janeiro teve protestos contra Dilma e contra Temer neste domingo (Foto: Silvia Izquierdo/AP e G1)
Manifestantes contrários à presidente afastada Dilma Rousseff fizeram um protesto na orla da praia de Copacabana, na Zona Sul do Rio de Janeiro. O ato, organizado pelas redes sociais, começou por volta das 10h e terminou às 13h30. A uma semana do começo da Olimpíada, os participantes usaram faixas em inglês atraindo a atenção da imprensa internacional que está no Rio para o evento. Quatro carros de som foram usados durante a manifestação.
O grupo de manifestantes em defesa da presidente afastada se reuniu na tarde deste domingo no Centro do Rio. Com faixas que defendiam a saída do presidente em exercício, os manifestantes saíram da Candelária e caminharam até a Praça Mauá, onde se concentraram em frente ao Museu do Amanhã.

Rio Grande do Sul
Dois grupos de manifestantes protestaram em parques de Porto Alegre durante a tarde.
Protestos contra e a favor de Dilma em Porto Alegre (Foto: Montagem sobre fotos/Josmar Leite e Fabio Almeida/RBS TV)Protestos contra e a favor de Dilma em Porto Alegre neste domingo
(Foto: Montagem sobre fotos/Josmar Leite e Fabio Almeida/RBS TV)
Os atos foram pacíficos e reuniram cerca de 9 mil pessoas no total, segundo os organizadores. A Brigada Militar não fez contagem de público até as 19h deste domingo. O primeiro grupo, que reuniu cerca de 5 mil pessoas no Parcão, na Zona Norte, pediu a aprovação do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff no Senado.
O outro grupo, que contou com cerca de 4 mil manifestantes no Parque Farroupilha, no Centro da capital, manifestou apoio à Dilma, pediu seu retorno à presidência e a saída do presidente em exercício Michel Temer.

Santa Catarina
Protestos contra Dilma e contra Temer foram registrados em várias regiões catarinenses.
Florianópolis teve protestos contra Dilma e contra Temer neste domingo (Foto: Ricardo Von Dorff/RBS TV e Nicolas Quadro/CBN Diário)Florianópolis teve protestos contra Dilma e contra Temer neste domingo (Foto: Ricardo Von Dorff/RBS TV e Nicolas Quadro/CBN Diário)
Na capital, uma manifestação começou por volta das 15h na Avenida Beira-Mar Norte em frente à sede da Polícia Federal. O protesto terminou perto das 17h10, conforme a PM. Cerca de 800 pessoas participavam do ato às 17h, segundo a Polícia Militar. A organização falou em 5 mil.
Um ato contra o presidente em exercício, Michel Temer, ocorre no trapiche da Avenida Beira-mar Norte. Cerca de 50 pessoas participavam às 17h, segundo a Polícia Militar. A organização afirmou que 500 manifestantes participaram do ato.
Neste domingo, manifestações foram registradas também em Chapecó, no Oeste, Lages, na Serra, Blumenau, Brusque e Timbó, no Vale do Itajaí, em Balneário Camboriú, no Litoral Norte, e Joinville, Mafra e Porto União, no Norte. Houve atos a favor do afastamente definitivo de Dilma Rousseff e contra o presidente em exercício, Michel Temer.

São Paulo
Manifestantes fizeram neste domingo dois atos distintos em São Paulo: um contra a presidente afastada Dilma Rousseff e o outro contra o presidente em exercício Michel Temer.
Protestos Paulista e Largo da Batata (Foto: Will Soares e Roney Domingos/G1)Protestos Paulista e Largo da Batata (Foto: Will Soares e Roney Domingos/G1)
A manifestação contra Dilma reuniu manifestantes na Avenida Paulista, na região central, e foi organizado pelo movimento Vem Pra Rua. O ato contra Temer é liderado pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), se concentrou no Largo da Batata, na Zona Oeste. Os dois atos foram encerrados às 18h.
De acordo com o MTST, 50 mil pessoas participam do ato contra Temer. Nem os organizadores do ato na Paulista nem a Polícia Militar divulgou o número de participantes em cada um dos atos.
No Interior Paulista, foram registrados atos contra Dilma em Araraquara, Avaré, Campinas, Fernandópolis, Franca, Jundiaí, Limeira, Ourinhos, Piracicaba, Pompeia, Ribeirão Preto, Rio Claro, São Carlos, São José dos Campos, São José do Rio Preto, Sertãozinho e Taubaté.

Tocantins
Protesto em Palmas (Foto: Lorena de Abreu/Arquivo Pessoal)Protesto em Palmas (Foto: Lorena de Abreu/Arquivo Pessoal)
Em Palmas, os manifestantes se reuniram na praça dos Girassóis, por volta das 16h30, para pedir o impeachment de Dilma. Segundo os organizadores, cerca de 25 pessoas participaram do ato. A polícia não divulgou o número de manifestantes. O protesto pede também o fim do foro privilegiado.