12 de mar de 2015

Esgotamos todos os recursos para combater a crise que vem de 2009, diz Dilma

Presidente justificou a adoção das medidas de ajuste fiscal, como cortes em ministérios e elevação de impostos

AE
Presidenta-Dilma-Rousseff-durante-cerimonia-de-entrega-das-obras-de-expansao-e-modernizacao-dos-terminais-privados-de-Libra-foto-Roberto-Stuckert-Filho-PR_10.jpg
A presidente Dilma Rousseff admitiu nesta quinta-feira, 12, ao inaugurar terminais privados no porto do Rio, que o governo esgotou todos os recursos possíveis para combater a crise iniciada em 2008 e que se estendeu para o ano seguinte. "Agora temos de usar outros instrumentos de combate", disse a presidente, justificando a adoção das medidas de ajuste fiscal. Segundo Dilma, a sociedade se livrou de um "elevadíssimo desemprego" e de "uma redução violenta da taxa de crescimento" com a política anticíclica adotada após a crise internacional, que por outro lado sacrificou as contas públicas.
Ela voltou a usar a analogia do orçamento doméstico para explicar o corte de gastos implantado pela nova equipe econômica neste segundo mandato e para falar em retomada do crescimento. "Estamos fazendo o que todo mundo faz na sua casa: reajustando as contas para seguir crescendo. Acreditamos que isso se dará nos próximos meses, chegando ao final do ano", prometeu Dilma, acrescentando que o País passa por um momento de dificuldades, mas tem bases sólidas.
 
Dilma falou também sobre as parcerias entre o governo e o setor privado que permitiram a construção de terminais no porto do Rio e defendeu que, para o empresário, "dar previsibilidade é crucial" e que as parcerias geram um "círculo virtuoso".
 
A presidente listou alguns desses projetos, como a abertura do processo de concessão da Ponte Rio-Niterói, marcada para o dia 18, além de intervenções no setor portuário. Segundo Dilma, são 38 investimentos totalizando R$ 1 bilhão, além de 27 pedidos em carteira em um total de R$ 11,2 bilhões. Neste ponto, a presidente falou da importância das mudanças do marco regulatório que, segundo ela, permitiram a expansão do investimento privado.

Nenhum comentário: