8 de ago de 2015

Irmão de Dirceu recebia R$ 30 mil mensais de operador de propina

Preso na Operação Lava Jato junto com o ex-ministro da Casa Civil, Luiz Eduardo Oliveira e Silva é apontado pelos investigadores como a pessoa que pedia dinheiro para o esquema corrupto do irmão

Luiz Eduardo Oliveira e Silva, irmão do ex-ministro José Dirceu, envolvido na Lava Jato, chega ao IML de Curitiba (PR) para exame de corpo de delito - 04/08/2015
Luiz Eduardo Oliveira e Silva, irmão do ex-ministro José Dirceu, envolvido na Lava Jato, chega ao IML de Curitiba (PR) para exame de corpo de delito - 04/08/2015(Suellen Lima/Frame/Folhapress)
O irmão de José Dirceu, Luiz Eduardo Oliveira e Silva, admitiu à Polícia Federal que recebeu "pagamentos mensais de 30.000 reais em espécie" do lobista Milton Pascowitch, apontado como operador de propinas na Diretoria de Serviços da Petrobras. Os repasses, segundo Luiz Eduardo, ocorreram entre 2012 e 2013. O irmão do ex-ministro da Casa Civil afirmou que "não solicitou quaisquer valores a Milton Pascowitch". Preso na 17ª fase da Operação Lava Jato junto com Dirceu, ele disse que o lobista "começou a pagá-lo de forma espontânea, a título de ajuda para despesas variadas".
Diante das declarações, nesta sexta-feira o juiz Sergio Moro prorrogou por mais cinco dias a prisão temporária de Luiz Eduardo. Moro alegou em sua decisão que ele admitiu "que pagamentos efetuados por empreiteiras após a condenação de José Dirceu não teriam sido efetuados a título de consultoria, como anteriormente afirmava a empresa JD em sua defesa, mas a título de 'auxílio'".
O delator Milton Pascowitch é considerado pivô da prisão de Dirceu. Durante muitos anos, os dois foram aliados. O lobista foi preso, firmou acordo de delação premiada e revelou a rotina de pagamentos de propinas de empreiteiras para a empresa de Dirceu, a JD Assessoria e Consultoria. A PF suspeita que a empresa foi criada para captar recursos ilícitos de empreiteiras supostamente favorecidas pelo ex-ministro em contratos bilionários na Petrobras. Em troca da delação, Pascowitch ganhou prisão domiciliar.
Luiz Eduardo declarou que "não sabia a origem do dinheiro, não tendo questionado Milton (Pascowitch) ou Dirceu sobre tal circunstância". Alegou que "não sabe" se seu irmão solicitou que tais valores fossem pagos por Pascowitch. Ele disse que, em 2013, solicitou ao lobista "que cessasse os pagamentos, pois aquela situação não poderia perdurar, ainda mais pelo fato de que seu irmão havia sido preso" - naquele ano, Dirceu foi para a Penitenciária da Papuda, em Brasília, condenado no julgamento do mensalão a sete anos e onze meses de prisão por corrupção ativa.
O irmão do ex-ministro afirmou que a JD Assessoria deve, hoje, entre 1,5 milhão e 2 milhões de reais.
(Com Estadão Conteúdo)

Nenhum comentário: