24 de nov de 2015

Soldado russo é morto em resgate de pilotos de caça abatido pela Turquia

Um dos pilotos do caça pode ter morrido no ar, alvejado por rebeldes após se ejetar do caça. O paradeiro do segundo piloto ainda é desconhecido

Jato russo é abatido na região Kizildag da província de Hatay na Turquia, perto da fronteira com a Síria - 24/11/2015
Jato russo é abatido na região Kizildag da província de Hatay na Turquia, perto da fronteira com a Síria - 24/11/2015(Fatih Akta/Anadolu Agency/Getty Images)
Um soldado russo foi morto nesta terça-feira na Síria durante uma operação de resgate dos dois pilotos do caça Su-24 abatido pela Turquia, quando o helicóptero em que estava foi atingido por tiros, anunciou o estado-maior russo.
"Uma operação de busca e resgate para evacuar os pilotos russos do local da queda do avião foi conduzida com o apoio de dois helicópteros Mi-8. Durante a operação, um helicóptero foi danificado por tiros e precisou pousar. Um soldado foi morto", declarou o general Sergei Roudskoi, de acordo com comentários transmitidos pela televisão.
O restante da tripulação do Mi-8 foi levada para a base aérea russa de Hmeimim, na Síria, depois que a aeronave foi destruída por um morteiro disparado dos territórios sob controle dos rebeldes, acrescentou o alto oficial.

O Su-24 foi abatido pelo exército turco nesta terça-feira e caiu a quatro quilômetros da fronteira com a Síria. "A tripulação do caça se ejetou. Segundo informações preliminares, um dos pilotos morreu no ar, atingido por disparos feitos do chão", explicou o general Sergei Roudskoy. Um vídeo obtido pela agência Reuters mostra o corpo de um dos pilotos, aparentemente morto, cercado por rebeldes sírios. O paradeiro do segundo piloto ainda é desconhecido.
Segundo Roudskoy, o caça russo não entrou no espaço aéreo da Turquia e o exército daquele país não tentou qualquer contato por rádio ou visual com a aeronave russa antes de abatê-la, ao contrário do que afirma Ancara. Ainda segundo o general, o F-16 turco que derrubou a aeronave russa invadiu o espaço aéreo sírio, o que o alto oficial qualificou de ato de "violação flagrante do direito internacional", que terá "as mais graves consequências".
O estado-maior russo suspendeu todos os contatos militares com a Turquia e anunciou que o cruzador Moskva, da frota russa, equipado com sistemas antiaéreos, tinha ancorado perto da província de Lattaquie, no nordeste da Síria.
"Todos os alvos que representam para nós uma ameaça serão destruídos", alertou o general Roudskoi. Bombardeios russos, que lançaram sua missão na Síria em 30 de setembro, a partir de agora protegerão os caças, acrescentou o general.
(Com AFP)

Nenhum comentário: