29 de mar de 2017

A reconstrução do Santo Sepulcro

Após duzentos anos de impasse, local de maior veneração do cristianismo é reformado ao custo de R$ 12 milhões

A reconstrução do Santo Sepulcro
INVESTIMENTO Foram nove meses de trabalho, financiado por católicos, ortodoxos gregos e ortodoxos armênios
A pós a aflição da via dolorosa e do suplício da crucificação, diz a Bíblia que o oficial romano Pôncio Pilatos concedeu aos seguidores de Jesus o direito de realizar os rituais fúnebres no corpo de Cristo. Os restos mortais foram assim levados para uma tumba nas proximidades, enrolados em linho e cobertos por ervas aromáticas pelo discípulo José de Arimateia. Quando, depois, Maria Madalena foi visitar o mausoléu, descobriu que estava aberto e vazio. Ela ficou inicialmente em choque, mas não demoraria em receber a revelação: o nazareno havia ressuscitado. Em Jerusalém, cenário onde essa história teria acontecido, o chamado Santo Sepulcro acaba de ser reformado e reaberto na quarta-feira 22, após nove meses de trabalhos feitos sob o comando da Universidade Técnica Nacional de Atenas (Grécia). “Pela primeira vez em dois séculos, a edícula sagrada foi restaurada”, afirmou, na cerimônia de reinauguração, o patriarca ortodoxo grego de Jerusalém, Theophilos 3º. “Esse não é apenas um presente para nossa Terra Santa, mas para todo o mundo.”
O motivo pelo qual a reforma demorou tanto para acontecer foi o fato de três denominações cristãs diferentes dividirem a administração da tumba: católicos, ortodoxos gregos e ortodoxos armênios. Desentendimentos sequenciais embargaram as obras até 2015, quando as autoridades israelenses detectaram risco de desabamento e deram o ultimato. Sob pressão, os religiosos ainda demoraram um ano até que a reconstrução de fato começasse, ao custo equivalente de mais de R$ 12 milhões. Além das igrejas envolvidas, financiaram a iniciativa a Autoridade Palestina e o Rei Abdullah, da Jordânia. A restauração foi focada na edícula, pequena capela que recobre o local sagrado — que está dentro de um santuário maior, a Igreja do Santo Sepulcro. Outras partes do templo principal já haviam sido consertadas décadas atrás, mas o centro da edificação continuava negligenciado. As paredes estavam pretas da fumaça de velas, algumas partes desmoronando e uma jaula feita pelos britânicos há 70 anos mantinha a estrutura em pé. Terminadas as obras, as paredes recuperaram a cor original alaranjada e a gaiola foi retirada, pois o prédio recebeu reforços.
VENERAÇÃO  O local recebe cerca de 5 mil visitantes por dia
VENERAÇÃO O local recebe cerca de 5 mil visitantes por dia
Reabertura
O momento mais crucial aconteceu no fim do ano passado, quando o sepulcro em si foi aberto, depois de cerca de meio milênio. À medida que as pedras eram retiradas, camadas de adereços colocados por adoradores em diferentes épocas iam sendo reveladas. Por baixo desses ornamentos (que incluem uma placa de mármore com o desenho de uma cruz) foi descoberta intacta a rocha onde os fieis acreditam que o corpo de Jesus repousou entre a crucificação e a ressurreição. Durante dois dias e meio, fotos foram feitas, amostras coletadas e amparos colocados. Cinco dezenas de religiosos, pesquisadores e restauradores tiverem acesso durante esse período, após o qual o local foi fechado.
A Igreja do Santo Sepulcro já foi destruída e reconstruída várias vezes no decorrer da história, depois de invasões estrangeiras a Jerusalém. A edícula propriamente dita foi erguida em 1810, durante o domínio otomano. Não há provas arqueológicas concretas de que Cristo realmente esteve ali, mas para muitos estudiosos há evidências que apontam para essa possibilidade. Uma delas é a antiguidade do culto no local, que data de poucos séculos depois da vida de Jesus. No começo do século 4 d.C., quando o imperador Constantino se converteu ao cristianismo, ele teria construído a primeira versão da Igreja do Santo Sepulcro sobre um templo romano que havia sido feito pelo imperador Adriano no local. O objetivo era suprimir o crescimento do novo culto. Em escavações do século 20, foram encontrados fragmentos do que seriam as edificações de Constantino e de Adriano. Além disso, a rocha onde se acredita que Jesus esteve corresponde ao modo como os judeus sepultavam seus mortos naquele tempo. No entanto, não se pode saber se a pedra é a correta, já que diversas outras semelhantes foram identificadas no perímetro do santuário.
Hoje, o Santo Sepulcro é um dos locais mais venerados do cristianismo, recebendo até 5 mil visitantes diariamente. Com a reforma, os restauradores devolveram a segurança aos peregrinos. Agora, devido à obra, os responsáveis esperam que o templo siga em pé pelos próximos 500 anos.
O QUE FOI FEITO NO TÚMULO DE JESUS
Reforma se concentrou na edícula, pequena capela dentro da Igreja do Santo Sepulcro. Abaixo, templo antes da restauração

56
1. Séculos de fumaça das velas dos fieis deixaram as paredes pretas. Agora, elas recuperaram a cor alaranjada
2. Como partes estavam soltas, a reforma desmontou, limpou e renovou todas a estrutura, incluindo colunas e domos
3. Após terremoto em 1947, britânicos instalaram uma jaula para prevenir desabamento, o que foi retirado
4. Dentro do santuário, uma janela foi instalada para deixar os peregrinos verem a pedra original da tumba pela primeira vez

Nenhum comentário: