1 de dez de 2015

Delcídio se queixa de "abandono" dos principais líderes do Congresso

Visivelmente abatido, parlamentar preso na semana passada tem relatado a amigos sua insatisfação pelo tratamento recebido pelas principais lideranças partidárias e pelo Palácio do Planalto

Estadão Conteúdo
Sem-Título-2.jpg
 
Preso desde a última quarta-feira, o senador Delcídio Amaral (PT-MS) tem demonstrado contrariedade com o fato de estar sendo "abandonado" pelas principais lideranças do Congresso Nacional e do Palácio do Planalto, com quem convivia até a semana passada.

O petista, detido numa sala adaptada na sede da Superintendência da Polícia Federal do Distrito Federal, tem recebido quase que diariamente advogados que o defendem no Supremo Tribunal Federal (STF) e integrantes do gabinete, com quem tem conversado nos momentos que dispõe para o "banho de sol".

Os assessores têm mantido o petista informado sobre os desdobramentos do caso no Supremo e na imprensa. As conversas são acompanhadas à distância por um dos agentes da PF, responsável pela vigilância do senador.

Segundo pessoas próximas ao petista, que estiveram com ele nestes últimos dias, Delcídio tem sem alimentado pouco e está visivelmente abatido. Ele também tem sinalizado estar magoado com o tratamento recebido pelas principais lideranças partidárias e pelo Palácio do Planalto, com quem tinha "trânsito" até ser preso na última quarta-feira. Em entrevista realizada ontem em Paris, a presidente Dilma Rousseff afirmou ter ficado "perplexa" com a prisão do até então líder do governo no Senado.

Desde a detenção do senador, apenas o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), também alvo da Operação Lava Jato, e o ex-presidente da República José Sarney (PMDB-AP) teriam prestado "alguma" solidariedade. Segundo relatos, ambos ligaram no dia em que o petista foi preso para a esposa de Delcídio, Maika.

Apesar do afastamento dos "colegas", o senador até aqui não tem falado sobre uma possível realização de delação premiada. Tal possibilidade também não teria sido colocada por nenhum representante do Ministério Público Federal ou do Judiciário. Familiares e amigos do parlamentar tem aconselhado o senador a fazer um acordo por acreditarem que este é o melhor caminho para ele deixar a prisão.

 Apesar dos ataques públicos do presidente do PT, Rui Falcão, contra Delcídio, o isolamento dele, por outro lado, tem dividido integrantes da bancada PT no Senado, que realizaram um encontro ontem para discutir, entre outros temas, o posicionamento que deverá ser adotado pela bancada.

Parte dos petistas do Senado defendem que Delcídio não seja jogado "ao mar" neste momento e lembram que integrantes da bancada chegaram a visitar, no presídio da Papuda em Brasília, lideranças do partido presas após o julgamento do mensalão. Entre eles o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu.

Nenhum comentário: