26 de out de 2015

Pecuarista amigo de Lula admite empréstimo com lobista Fernando Baiano

Em entrevista ao jornal 'O Estado de S. Paulo', Bumlai -- acusado por réu da Lava Jato de receber propina e repassar R$ 2 milhões à nora do ex-presidente – reconheceu ter pegado dinheiro emprestado com delator, mas alega que quantia era para pagar dívidas de sua empresa. Só não esclareceu se pagou o empréstimo

O pecuarista e empresáio José Carlso Bumlai, amigo do ex-presidente Lula: suspeita de envolvimento no esquema de propinas de Campinas
O pecuarista e empresário José Carlso Bumlai, amigo do ex-presidente Lula(Cristiano Mariz/VEJA)
Em sua bombástica delação premiada, o lobista Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, envolveu o nome de um dos amigos mais próximos de Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo ele, o pecuarista José Carlos Bumlai recebeu 2 milhões de reais de propina para intermediar negócios no setor de petróleo, valor entregue a uma nora do ex-presidente da República. Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Bumlai negou a acusação. Mas admitiu ter contraído um empréstimo de 1,5 milhão de reais. O curioso é que o empresário, de 71 anos, não esclarece se devolveu o dinheiro ao operador de propinas do PMDB, com quem jamais teve intimidade na vida.
"Ele fala que me deu 3 milhões de reais, depois virou 2 milhões de reais, ele até se confunde na delação. Em 2011, no mês de setembro, eu tive uma dificuldade, eu não lembro porque, dificuldade financeira. Como eu estava com aquele meu negócio que renderia um bom… eu tinha aberto um canal de conversa com o Fernando, eu pedi a ele, 'Fernando, me arruma um milhão e meio, nem três, nem dois, me arruma um milhão e quinhetos mil, eu te devolvo. Ele me arrumou, esta é a minha verdade. Paguei a minha folha que estava bastante atrasada. Fiquei de devolver o dinheiro para ele, tive um problema de saúde muito sério. Não tem nada a ver com a OSX, nada a ver", afirmou Bumlai ao jornal.
Fernando Baiano, que está preso em Curitiba desde dezembro de 2014, revelou em sua delação que a sua aproximação do pecuarista - que sempre teve acesso livre ao Palácio do Planalto -- tinha como interesse os contratos dos navios-sonda para o grupo OSX, do empresário Eike Batista. E disse que Lula recebeu Bumlai e o presidente da Sete Brasil para discutir o negócio. O pecuarista confirmou a reunião, que ocorreu dentro do Instituto Lula, em São Paulo, mas disse que diferentes negócios estão sendo confundidos. "Conheci o Fernando Baiano como empresário de uma companhia internacional, a Acciona, trabalhando no ramo de energia. Ele falou agora que fizemos um projeto da OSX com a Sete Brasil. Eu fui apresentado ao grupo Eike Batista pelo Baiano, tentando vender um projeto termelétrico meu, uma usina de 660 megas. Ele teria dito que o Grupo Eike Batista teria interesse em comprar. Me apresentou lá, eu fui, abrimos uma relação de negócios, certo? Aí, começam a misturar as coisas", defendeu-se.
Bumlai disse que a conversa não teve relação e que mal participou dela: "Almocei com o Baiano no restaurante Tatina, ele me apresentou o (João Carlos, presidente da Sete Brasil) Ferraz nesse momento. Eu não conhecia o Ferraz, não tinha noção de quem era. Ele contou lá as preocupações com respeito ao setor e tal. Eu disse, 'Olha, não entendo nada disso, vou até dar uma recomendação. Vai conversar com o presidente, seja sucinto e coloca teu problema rápido porque é um entra e sai. Terminado o almoço, o Baiano foi embora. Eu levei o Ferraz lá no Instituto (Lula), apresentei o Ferraz. Ele não conhecia o presidente. Eu fiquei olhando um livro do Corinthians e saí. Tinha uma outra pessoa na sala, eu não lembro quem era, acho que era o (Paulo) Okamoto (presidente do Instituto Lula). Fiquei lá, conversando, quando terminou não sei se foi mais de 30 ou 40 minutos, dei carona para ele até o aeroporto. Eu não conversei, fiquei sabendo depois do negócio da indústria naval, sondas, OSX", diz o pecuarista
Em relação à denúncia de que teria intermediado - junto ao Banco Shahin - o pagamento de uma conta de 60 milhões de reais do PT referente à campanha presidencial de Lula na eleição de 2006, Bumlai classificou como 'último absurdo'. "Meu Deus, eu não sou filiado ao PT, esse Rui Falcão (presidente nacional do PT), até posso ter sido apresentado a ele, muito prazer... Mas não tenho nenhuma ligação com ele, não faço política e, de repente, vou fazer uma negociação para pagar 60 milhões de dívida do PT? Eu lá sei de dívida do PT! Nunca recebi conta de ninguém para botar dinheiro na conta deles (do PT), nunca. Nunca dei um tostão para campanha de Lula. Por que eu iria intermediar? Por que eu intermediar dívida do PT na Petrobrás? Não tem sentido".
Ao longo da entrevista Bumlai tenta minimizar a amizade com o ex-presidente, a quem classifica como "uma boa pessoa cativante, eclética, que fala de tudo e tem boas tiradas". Ele admitiu conhecer as quatro noras de Lula, mas jurou não ter negócios com a família. "A amizade não é amizade de negócio, de empresa. Lula nunca foi na minha fazenda depois de 2002, nunca visitou empreendimento nosso, nunca tive qualquer relação comercial com ele, até porque, depois que ele foi eleito, fiz questão de que assim fosse". O discurso contrasta com os fatos. Bumlai tinha um crachá e autorização expressa para que tivesse livre acesso ao Palácio do Planalto durante o governo do ex-presidente. "Eu não sabia que tinha aquilo lá, esse crachá. Aliás, o crachá tinha que estar comigo, não?. Muito bem, nunca soube daquele crachá. Durante os oito anos que o presidente Lula esteve no Palácio do Planalto eu fui duas vezes no gabinete dele", diz.
Ele negou também ter pago o apartamento de um dos filhos do ex-presidente. Lula, aliás, em uma reunião com diretores do Movimento dos Sem Terra (MST), realizada no sábado, disse estar "muito irritado" com as citações de nomes de seus familiares na Lava Jato.

Nenhum comentário: