30 de jul de 2015

Atletas podem contrair doenças nas 'águas olímpicas' do Rio, diz agência

AP diz que achou bactérias de esgoto em locais de competições olímpicas.
Brasileiro do Inea afirma que segue norma de qualidade para uso recreativo.

Da Associated Press
Os atletas que vão competir nos Jogos Olímpicos de 2016 terão que nadar e velejar em águas tão contaminadas por fezes humanas que se arriscarão a contrair alguma doença e não poder concluir as provas, de acordo com uma investigação da Associated Press.
Uma análise da qualidade da água encomendada pela AP encontrou níveis perigosamente altos de vírus e bactérias de esgoto humano em locais de competições olímpicas e paralímpicas. Esses resultados alarmaram especialistas internacionais e preocuparam os competidores que treinam no Rio, alguns dos quais já apresentaram febres, vômitos e diarreia.
A poluição extrema das águas é comum no Brasil, onde a maior parte dos esgotos não é tratada e uma grande quantidade de resíduos puros corre por valas abertas até riachos e rios que alimentam os locais das competições aquáticas dos Jogos Olímpicos.
Em consequência, os atletas olímpicos quase certamente entrarão em contato com vírus causadores de doenças, que, segundo alguns testes, estão presentes em níveis até 1,7 milhão de vezes acima do que seria considerado alarmante em praias no sul da Califórnia, EUA.
Apesar de décadas de promessas oficiais de limpar a sujeira das águas, o fedor de esgoto ainda recebe os turistas que pousam no aeroporto internacional Antônio Carlos Jobim. Belas praias estão desertas, porque as ondas chegam à areia cheias de uma lama pútrida e, de tempos em tempos, a lagoa olímpica, Rodrigo de Freitas, fica repleta de peixes mortos em decomposição.
“O que se tem ali é basicamente esgoto puro,” disse John Griffith, biólogo marinho do instituto independente Southern California Coastal Water Research Project. Griffith examinou os protocolos, metodologia e resultados dos testes da AP. “É água dos banheiros, dos chuveiros e do que as pessoas jogam na pia, tudo misturado, que vai para a água das praias. Isso seria interditado imediatamente se fosse encontrado aqui”, disse ele, referindo-se aos Estados Unidos.
Foto de 28 de julho mostra trabalhadores retirando sujeita em um canal na Favela da Maré, no Rio de Janeiro (Foto: Silvia Izquierdo/AP)Foto de 28 de julho mostra trabalhadores retirando sujeita em um canal na Favela da Maré, no Rio de Janeiro (Foto: Silvia Izquierdo/AP)
Autoridades brasileiras encarregadas da qualidade da água nos locais olímpicos afirmaram que não estão monitorando a presença de vírus.
Mesmo assim, Leonardo Daemon, gerente de Qualidade da Água do Inea, disse que eles estão seguindo as normas brasileiras de qualidade de água para uso recreativo, todas baseadas em níveis bacterianos.
“Qual é a norma que deve ser seguida para quantidade de vírus? Porque presença e ausência de vírus na água ... ela precisa de um padrão, um limite,” disse Daemon. “Você não tem um padrão, uma norma que transfira a quantidade de vírus em relação a saúde humana, isso para contato em água.”
Mais de 10.000 atletas de 205 nações devem competir nos Jogos Olímpicos do ano que vem. Quase 1.400 deles estarão velejando nas águas próximas da Marina da Glória na Baía de Guanabara, nadando na praia de Copacabana e praticando canoagem e remo nas águas insalubres da Lagoa Rodrigo de Freitas.
A AP encomendou quatro rodadas de testes em cada um desses três locais de competições olímpicas, e também na água que alcança a areia da praia de Ipanema, que é muito frequentada por turistas, mas onde não será realizado nenhum evento. Trinta e sete amostras foram testadas para três tipos de adenovírus humano, além de rotavírus, enterovírus e coliformes fecais.
Os testes virais da AP, que continuarão em 2016, indicaram que nenhum dos locais é seguro para nadar ou velejar, segundo os especialistas em qualidade da água que tiveram acesso aos dados da AP.
Os resultados dos testes indicaram altas contagens de adenovírus humanos ativos e infecciosos em algumas amostras, que se replicam no trato intestinal ou respiratório de pessoas. Esses são vírus conhecidos por causar doenças estomacais, respiratórias e outras, incluindo diarreia aguda e vômitos, além de doenças cerebrais e cardíacas, que são mais graves, porém mais raras.
Foto de 5 de julho mostra águas fétidas fluindo até a Lagoa Rodrigo de Freitas, onde estão programadas as provas do remo e canoagem durante as Olimpíadas de 2016 (Foto: Felipe Dana/AP)Foto de 5 de julho mostra águas fétidas fluindo até a Lagoa Rodrigo de Freitas, onde estão programadas as provas do remo e canoagem durante as Olimpíadas de 2016 (Foto: Felipe Dana/AP)
As concentrações dos vírus foram aproximadamente as mesmas que são encontradas no esgoto puro, mesmo em uma das áreas menos poluídas testadas, a praia de Copacabana, onde serão realizadas as provas de natação do triatlo e maratona aquática e onde muitos dos 350.000 turistas estrangeiros esperados poderão dar seus mergulhos.
“Todos correm risco de infecção nessas áreas poluídas”, disse o Dr. Carlos Terra, hepatologista e presidente do Grupo de Fígado do Rio de Janeiro.
Um especialista americano em avaliação de risco para vírus transmitidos pela água examinou os dados da AP e estimou que os atletas internacionais em todos os locais de competições aquáticas teriam uma chance de 99% de infecção ao ingerir apenas três colheres de chá da água, embora a probabilidade de uma pessoa ficar doente dependa da imunidade e de outros fatores.
Além dos nadadores, os atletas de iatismo, canoagem e, em menor grau, de remo com frequência ficam encharcados durante a competição, e também respiram as gotículas no ar.
A Lagoa Rodrigo de Freitas, que passou por obras de limpeza em anos recentes, foi declarada segura para remadores e canoístas. No entanto, os testes da AP revelaram que suas águas estão entre as mais poluídas dos locais de competições olímpicas, com resultados que variam de 14 milhões de adenovírus por litro no extremo inferior a 1,7 bilhão por litro no extremo superior.
Em comparação, especialistas em qualidade da água que monitoram praias no sul da Califórnia ficam alarmados se encontram contagens virais de 1.000 por litro. “Se eu fosse participar das Olimpíadas”, diz Griffith, o especialista em água da Califórnia, “provavelmente chegaria com antecedência, para me expor e fortalecer meu sistema imunológico contra esses vírus antes de competir, porque não vejo como eles vão resolver esse problema do esgoto”.
Despoluição da Baía de Guanabara foi anunciada como maior legado dos jogos olímpicos; mas ainda é distante de se tornar real (Foto: AP Photo / Silvia Izquierdo)Despoluição da Baía de Guanabara foi anunciada como maior legado dos jogos olímpicos; mas ainda é distante de se tornar real (Foto: AP Photo / Silvia Izquierdo)

Risco enorme para os atletas
Ivan Bulaja, o técnico croata da equipe de iatismo austríaca da classe 49er, está começando a compreender isso. Ele disse que seus iatistas perdem valiosos dias de treino depois de ficar doentes com vômitos e diarreia. “Esta é de longe a pior qualidade de água que já vimos em toda a nossa carreira no iatismo”, disse Bulaja.
Treinando no início deste mês na Baía de Guanabara, o velejador austríaco David Hussl conta que ele e seus colegas de equipe tomam precauções, como lavar o rosto imediatamente com água mineral quando se molham com as ondas e tomar banho assim que retornam à terra. No entanto, Hussl disse que adoeceu várias vezes. “Tive febre e problemas de estômago”, disse ele. “É sempre um dia totalmente na cama e, depois, mais uns dois ou três dias sem velejar.”
"É um risco enorme para os atletas", diz o técnico. “A gente vive por uma medalha olímpica”, afirma Bulaja, “e pode realmente acontecer de ficar doente alguns dias antes da prova e não conseguir competir”.
O Dr. Alberto Chebabo, que chefia o Serviço de Doenças Infecciosas e Parasitárias do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho da UFRJ, disse que o esgoto puro é causa de problemas de saúde pública “endêmicos” entre os brasileiros, principalmente diarreia infecciosa em crianças.
Quando chegam à adolescência, disse ele, as pessoas no Rio já foram tão expostas aos vírus que desenvolvem anticorpos.
Mas os atletas e turistas estrangeiros não terão essa proteção. “Alguém que não foi exposto a essa falta de saneamento e vai a uma praia poluída corre, obviamente, um risco muito mais alto de ser infectado”, disse Chebabo.
Estima-se que 60% dos brasileiros adultos tenham sido expostos à hepatite A, segundo o hepatologista Dr. Terra. Os médicos insistem que estrangeiros que vierem ao Rio, sejam atletas ou turistas, vacinem-se contra hepatite A. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos também recomendam que os viajantes ao Brasil sejam vacinados para febre tifoide.
Foto de 28 de abril mostra Fernando Spilki, virologista e coordenador do programa de qualidade ambiental da Universidade Feevale, em Novo Hamburgo, que realizou testes de qualidade da água para a AP na Marina da Glória (Foto: Felipe Dana/AP)Foto de 28 de abril mostra Fernando Spilki, virologista e coordenador do programa de qualidade ambiental da Universidade Feevale, em Novo Hamburgo, que realizou testes de qualidade da água para a AP na Marina da Glória (Foto: Felipe Dana/AP)
Sob o microscópio
Fernando Spilki, virologista e coordenador do programa de qualidade ambiental da Universidade Feevale, em Novo Hamburgo, realizou os testes de qualidade da água para a AP. Os testes de Spilki pesquisaram três tipos diferentes de adenovírus humano que são “marcadores” típicos dos esgotos humanos no Brasil. Ele fez testes também para enterovírus, a causa mais comum de infecções do trato respiratório superior em jovens. Pesquisou ainda sinais de rotavírus, a principal causa mundial de gastroenterite.
Os testes até agora mostram que as águas do Rio “estão cronicamente contaminadas”, disse ele. “A quantidade de matéria fecal que entra nos corpos de água no Brasil é extremamente alta. Infelizmente, temos níveis comparáveis a algumas nações africanas, à Índia.”
“A preocupação não é apenas com o que foi testado”, disse Griffith, o pesquisador norte americano. “É muito provável que haja organismos ainda piores que não foram pesquisados e que estejam ali escondidos”.
Não há falta de doenças no Rio, mas há uma grave escassez de dados sanitários referentes à água suja, disseram médicos especialistas.
As doenças com frequência acometem as pessoas com intensidade, mas a maioria não procura um médico, que provavelmente lhes recomendaria hidratação e repouso. Os pacientes raramente acompanham a evolução da doença em uma clínica, dizem os médicos.
Mundialmente, porém, o rotavírus é responsável por cerca de 2 milhões de hospitalizações e mais de 450.000 mortes de crianças a cada ano, de acordo com a Organização Mundial da Saúde.
Os testes encomendados pela AP encontraram o rotavírus em três ocasiões separadas nos locais de provas olímpicas: duas vezes na lagoa e uma vez na praia ao lado da Marina da Glória, de onde os velejadores sairão com seus barcos.
Kristina Mena, professora associada de saúde pública no Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Texas em Houston e especialista em qualidade da água, fez o que chamou de uma avaliação de risco “conservadora” para os atletas olímpicos que participarem de esportes aquáticos no Rio, considerando uma ingestão de 16 mililitros de água, ou três colheres de chá, bem menos do que os próprios atletas dizem que engolem.
Ela disse que encontrou “um risco de infecção de 99%”. “Com esses níveis de concentração viral, quer saber se eu acho que alguém deveria se expor a essas quantidades? A resposta é não”.
A AP também mediu a concentração de coliformes fecais, bactérias unicelulares que vivem no intestino de humanos e animais. Coliformes fecais podem sugerir a presença de cólera, disenteria, hepatite A e febre tifoide.
Em 75% das amostras colhidas na lagoa olímpica, o número de coliformes fecais excedeu o limite legal brasileiro para “contato secundário”, como navegação ou remo, tendo ficado, em duas amostras, mais de 10 vezes acima do nível aceitável. A Marina da Glória excedeu o limite apenas uma vez, enquanto na praia mais frequentada pelos turistas no Rio, Ipanema, a concentração de coliformes fecais ficou três vezes acima do nível aceitável em uma única amostra. Em Copacabana, os testes da AP não encontraram nenhum excesso de concentração de coliformes fecais.
Os coliformes fecais são usados há muito tempo pela maioria dos governos como um marcador para determinar se corpos de água estão poluídos, por serem relativamente fáceis e baratos de testar e encontrar. O Brasil mede somente os níveis bacterianos para determinar a qualidade da água.
No Rio, os níveis de coliformes fecais não foram tão astronômicos quanto os níveis virais que a AP encontrou. Essa discrepância está no centro de um debate global entre especialistas em água, muitos dos quais estão pressionando os governos a adotar testes virais, além dos bacterianos, para determinar a segurança da água para atividades de recreação.
O motivo é que os coliformes fecais do esgoto só conseguem sobreviver um período curto na água, especialmente nas condições de sal e sol do Rio de Janeiro. Os adenovírus humanos, por sua vez, podem sobreviver vários meses, ou talvez até anos, segundo alguns estudos.
Isso significa que, mesmo que o Rio coletasse e tratasse magicamente todo o seu esgoto amanhã, as águas ainda permaneceriam poluídas por um bom tempo.
'Uma oportunidade perdida'
Na candidatura olímpica, as autoridades cariocas prometeram que os jogos “recuperariam as águas magníficas do Rio” com um programa governamental de US$ 4 bilhões para expansão da infraestrutura de saneamento básico.
Essa foi a mais recente de uma longa lista de promessas que já custaram aos contribuintes brasileiros mais de US$ 1 bilhão, com muito pouco resultado.
O problema histórico de esgotos no Rio de Janeiro intensificou-se nas últimas décadas devido à explosão populacional, que levou muitos dos 12 milhões de habitantes da área metropolitana a se estabelecer nas imensas favelas que margeiam a baía.
O lixo flui para mais de 50 riachos que desembocam na antes cristalina Baía de Guanabara. Um fedor de lacrimejar os olhos emana de boa parte da baía e de suas praias adornadas com palmeiras, locais muito frequentados por praticantes de natação até a década de 1970, mas agora perpetuamente vedados para essa prática.
Toneladas de lixo caseiro – potes de margarina, bolas de futebol murchas, sofás encharcados e máquinas de lavar – acumulam-se junto à linha costeira e formam ilhas de resíduos.
Desde 1993, a agência de cooperação internacional do Japão despejou centenas de milhões de dólares em um projeto de limpeza da baía. O Banco Interamericano de Desenvolvimento liberou US$ 452 milhões em empréstimos para mais obras.
Uma cultura de mau gerenciamento mostrou-se um entrave para qualquer avanço. Durante anos, nenhuma das quatro estações de tratamento de esgotos construídas com o dinheiro japonês funcionou com plena capacidade.
Uma das estações, em Duque de Caxias, não tratou nem uma gota de esgoto desde sua construção em 2000 até sua inauguração em 2014. Por 14 anos, não esteve sequer conectada à rede de esgotos.
A essa altura, a agência japonesa já tinha classificado o projeto como “insatisfatório”, sem “nenhuma melhoria significativa na qualidade da água da baía”.
Como parte do seu projeto olímpico, o Brasil prometeu construir unidades de tratamento de residuos em oito rios para filtrar boa parte dos esgotos e impedir que toneladas de resíduos caseiros fluíssem para a Baía de Guanabara. Apenas uma foi construída.
As lagoas verdes fluorescentes que contornam o Parque Olímpico e que dados do próprio governo mostram estar entre as águas mais poluídas do Rio de Janeiro seriam dragadas, mas o projeto ficou preso em emaranhados burocráticos e ainda não começou.
“As autoridades brasileiras prometeram a lua para sediar as Olimpíadas, e, como é de praxe, não vão honrar com o seus compromissos”, disse Mario Moscatelli, um biólogo que passou 20 anos lutando pela limpeza das águas do Rio de Janeiro. “Estou entristecido, mas não estou espantado”.
Conforme o tempo avança, as autoridades locais reduzem suas promessas. O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, reconheceu que “para a Olimpíada não dá tempo” de terminar a limpeza da baía.
O Prefeito do Rio, Eduardo Paes, disse que foi uma “pena” que as promessas olímpicas não tenham sido cumpridas, acrescentando que os jogos estão se mostrando “uma oportunidade perdida” no que diz respeito à qualidade das águas.
Mas o website do comitê organizador dos Jogos Olímpicos do Rio ainda afirma que um legado fundamental dos jogos será “a recuperação e proteção do patrimônio ambiental único da região, incluindo as baías e canais” em áreas onde os esportes aquáticos acontecerão.
O redator de esportes Stephen Wade e a produtora sênior Yesica Fisch da Associated Press contribuíram para esta reportagem.

Nenhum comentário: