28 de mai de 2015

Investigadores americanos sugerem que Marin dividiu propina com Teixeira e Del Nero

Esquema de pagamentos "por fora" pelos direitos de exploração da Copa do Brasil existiria desde 1990, segundo a Justiça dos EUA

Da redação, com AE
Marin_Ag_Para_483x303.jpg
José Maria Marin, ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), teria dividido o valor de propinas recebidas pela exploração comercial da Copa do Brasil com seu antecessor, Ricardo Teixeira, e com o atual presidente da entidade, Marco Polo Del Nero, informa nesta quinta-feira (28) a Folha de S.Paulo, citando documentos da investigação conduzida pelo FBI (a polícia federal dos Estados Unidos).
Marin e mais seis integrantes da Federação Internacional de Futebol (Fifa) foram presos nesta quarta-feira (27), na Suíça, durante uma operação de combate à corrupção dentro da entidade máxima do esporte.
 
Segundo a Folha, em reunião em abril do ano passado, Marin pediu ao presidente da empresa de marketing esportivo Traffic, J. Hawilla, que a propina que vinha sendo dividida com Teixeira passasse a ser paga apenas a ele e a Del Nero. O esquema dentro da exploração comercial da Copa do Brasil existiria desde 1990.
 
Segundo a Justiça dos EUA, em ocasiões anteriores, Hawilla teria concordado em fazer a divisão da propina entre Marin e os chamados "coconspiradores 11 e 12", descritos na investigação como "altos executivos da CBF". Apenas Teixeira e Del Nero se encaixam no perfil.
 
Questionada, a CBF informou que não vai se pronunciar sobre a acusação.
 
O esquema de corrupção dentro da Fifa está sendo investigado nos Estados Unidos por envolver transações em bancos americanos e por supostamente ter contado com a participação de empresas sediadas nos EUA.
 
Marin é colocado em uma 'prisão modelo' na Suíça e 'passa bem'
 
Uma cela individual com banheiro, numa prisão modelo da Suíça. O Departamento de Polícia do país alpino revelou na manhã desta quinta-feira que o ex-presidente da CBF, José Maria Marin, "passa bem" e que está recebendo todos os serviços que são garantidos a detentos, inclusive assistência jurídica. Mas as autoridades decidiram dividir os dirigentes presos nesta semana em diferentes locais para evitar que possam "conversar ou trocar informações" sobre o caso. 
 
Ao Estado, o porta-voz da Polícia de Zurique confirmou que o brasileiro está em uma das prisões da região. Mas evitou dar a localidade exata por "motivos de segurança". "O que podemos garantir é que todos os direitos humanos do brasileiro estão sendo assegurados", afirmou. 
 
Ele garantiu que Marin "passa bem" e que não tem apresentado qualquer tipo de problemas de saúde. Em uma cela individual com banheiro, ele ainda foi afastado de qualquer outro cartola. "Não queremos que haja uma troca de informações", insistiu.
 
O ex-presidente da CBF, José Maria Marin, não solicitou assistência do governo brasileiro ao ser detido nesta quarta-feira em Zurique. Informações do Itamaraty indicam que, apesar de o cartola ter o direito de pedir um acompanhamento do consulado e de diplomatas, nenhuma medida foi tomada neste sentido. 
 
Todos os brasileiros tem direito a receber tal ajuda, principalmente em casos de extradição. Como princípio, o Brasil não aceita entregar a uma Justiça estrangeira um nacional.  
 
Marin foi preso na manhã desta quarta no hotel Baur au Lac, em Zurique, e aguarda em uma prisão da região da cidade uma eventual extradição aos EUA. Segundo fontes próximas à CBF, ele passou o dia em busca de advogados na Suíça e nos EUA e deve resistir à extradição.
 
Ao sair do hotel, Marin estava abatido. Segundo pessoas que acompanharam o caso, ele teria apenas tido. "Mas sou só eu? Onde estão os outros?". No Brasil, a CBF já afastou o brasileiro e a Fifa o puniu com uma suspensão temporária de todas as atividades no futebol. 
 
Em Zurique, o processo de extradição pode levar até seis meses e a defesa do brasileiro tentará convencer a Justiça local a permitir que Marin aguarde a decisão em liberdade condicional por conta de sua idade. O ex-presidente da CBF tem 83 anos. Segundo a investigação, ele cobrou comissões e propinas milionárias em contratos da CBF.

Nenhum comentário: