5 de mai de 2015

Em programa de TV sem Dilma, PT promete expulsar corruptos condenados

Na gravação, Lula centra sua fala contra terceirização enquanto Rui Falcão anuncia que o partido vai expulsar militantes que forem condenados por "malfeitos"

AE
lula-reprd-483x303.jpg
 
O PT divulgou nesta terça-feira, 5, na sua página oficial do Facebook, íntegra do programa de 10 minutos que será exibido nesta noite. No programa, aparecem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente do partido, Rui Falcão. Como previsto, não há participação da presidente Dilma Rousseff - ela aparece brevemente nas imagens, sem identificação. Lula centra sua fala contra terceirização enquanto Falcão anuncia que o partido vai expulsar militantes que forem condenados por "malfeitos". O programa também se dedica a falar do ajuste econômico promovido pelo governo, comparando com crises passadas por quais passou o País.
Seguindo o objetivo de dar mais evidência ao partido que ao governo, o programa traz diversas vezes o símbolo do partido. O "PT" é o sujeito da maior parte das frases, a maioria mostrando conquistas dos governos Lula e Dilma - os nomes dos governantes não são mencionados. O nome de Dilma não é citado sequer uma vez e o nome de Lula só aparece na legenda quando ele dá o depoimento contra a lei que libera terceirização para atividades-fim.
 
O programa inicia faixas e cartazes com bandeiras históricas da legenda, como a luta contra fome e por mais justiça social e segue com uma imagem ensolarada, ressaltando em texto que o País se tornou mais desenvolvido, mais justo e com mais oportunidades e direitos durante a gestão petista.
 
Pouco depois, o destaque vai para pautas de esquerda, contra a redução da maioridade penal e a favor da igualdade de gêneros - um recado claro contra os posicionamentos recentes do Congresso considerados conservadores -, contra a terceirização e a favor de direitos trabalhistas.
 
Lula aparece dizendo que direitos trabalhistas, como jornada diária de oito horas, 13º salário e férias "não caíram do céu". "Tudo que os trabalhadores têm hoje foi duramente conquistado ao longo de gerações, por isso não podemos permitir que essa história ande para trás e é isso que vai acontecer se for aprovado o projeto de lei 4.330, o projeto da terceirização que passou pela Câmara dos Deputados", diz Lula. "Esse projeto faz o Brasil retornar ao que era no começo do século passado, voltar ao tempo em que o trabalhador era um cidadão de terceira classe, sem direitos, sem garantias, sem dignidade. Nós não vamos permitir esse retrocesso", completa, em tom enfático, ao defender que o PT continua "ao lado do trabalhador"
 
No trecho seguinte, os apresentadores e a narração falam do ajuste econômico promovido pelo governo - de novo, sem citar o nome de Dilma. Manchetes de jornal de momentos de crise de hiperinflação e de anos da ditadura são usadas para mostrar que, em crises anteriores, as classes mais pobres tiveram que pagar com maior "sacrifício", enquanto hoje salários não são arrochados e não há desemprego alto. O programa não mostra gráficos de desemprego - que voltou a subir nos últimos meses - nem faz menção às MPs 664 e 665. As medidas provisórias que restringem acesso a benefícios trabalhistas e previdenciários são duramente criticadas por centrais sindicais e começam a ser apreciadas no Congresso nesta terça-feira.
 
Nesse trecho, o programa fala da bandeira do partido de defender a taxação de "grandes fortunas, grandes heranças e ganhos especulativos".
 
O programa reitera as conquistas sociais e econômicas dos últimos 12 anos, com menções ao Bolsa Família e à saída de dois terços da população da miséria, além do Minha Casa Minha Vida e programas de inclusão educacional no ensino superior, como Prouni. Obras de infraestrutura, como portos, aeroportos e o pré-sal também são apresentadas. Plataformas de petróleo aparecem, mas não há nenhuma referência direta ou indireta à Petrobras, algo de um esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato.
 
Corrupção
 
O programa reforça o discurso de que os governos petistas implementaram o combate mais efetivo à corrupção. A palavra "corrupção" aparece em um cenário escuro. "Antes, a corrupção não aparecia, mas todo mundo sabia que ela estava lá. Hoje a corrupção é investigada e gente importante vai pra cadeia", diz o narrador, quando luzes iluminam a palavra. O programa diz também que o PT deu autonomia para Ministério Público e Polícia Federal trabalharem.
 
Rui Falcão faz então sua participação na peça publicitária do PT. O presidente diz que "qualquer petista que cometer malfeitos e ilegalidades não continuará nos quadros do partido" e, como em discursos anteriores, rechaça a iniciativa de "alguns setores da mídia" de "criminalizar todo o partido por causa de erros graves de alguns filiados".
 
No trecho final do programa, o partido defende o fim de doações empresariais a partidos e campanhas e lembra que tomou a decisão unilateral de não receber mais doações de empresas em seus diretórios. O PT cita ainda o quinto congresso da legenda, marcado para junho, onde serão discutidas bandeiras e ideias.

Nenhum comentário: