24 de out de 2016

Os mendigos da Venezuela

A grave crise financeira e humanitária no país vizinho causa uma onda de migração inédita para o Brasil e deixa claro ao mundo por que Nicolás Maduro deve sair

Os mendigos da Venezuela
DESESPERANÇA: Num cenário desolador, a população não vé sinal de melhora
É possível tirar pelo menos uma conclusão a respeito do lamentável momento histórico que atravessa a Venezuela: não há concessão possível a Nicolás Maduro, o ditador que comanda uma política sistemática de aniquilamento da oposição, de supressão dos direitos individuais, da liberdade de expressão, do desrespeito às instituições e que mantém o país sufocado e paralisado por uma grave crise humanitária . “O povo venezuelano está morrendo de fome e de doenças”, sintetiza a psicóloga social venezuelana Yorelis Acosta, da Universidade Central da Venezuela.
ROTINA: Na fronteira com o Brasil, venezuelanos encaram filas para poder comprar alimentos e combustível
ROTINA: Na fronteira com o Brasil, venezuelanos encaram filas para poder comprar alimentos
e combustível
Nas últimas semanas, o Brasil conheceu mais de perto os reflexos da derrocada patrocinada por Maduro. E pelo lado mais doloroso: o da tragédia humana. O país registra uma onda sem precedentes de migração de venezuelanos, exaustos com a falta em suas cidades de produtos essenciais como alimentos, remédios e combustível. Aqui, procuram uma vida melhor. Ou, pelo menos, esperam poder comprar um quilo de arroz para alimentar a família que ficou do lado de lá. O problema é que, muitas vezes sem conseguir nem uma coisa nem outra, acabam perambulando pelas ruas de municípios de Roraima – sua porta de entrada –, pintando um triste cenário caracterizado pelo subemprego ou pela mendicância em terras brasileiras.
MALUQUICES DE MADURO
O presidente venezuelano é dado a cometer algumas bizarrices
venezuela-03-ie
• Em campanha eleitoral, disse que seu antecessor e padrinho, Hugo Chavez, havia lhe aparecido na forma de um passarinho para “abençoá-lo”
• Em meio à escassez de energia elétrica, pediu às mulheres que deixassem de usar secador de cabelo. Na concepção estética de Maduro, mulher bonita é aquela que deixa o cabelo secar naturalmente
• Também transformou as sextas-feiras em feriados, em outra medida que considerou fundamental para economizar energia
GABINETE DE EMERGÊNCIA
Os dados a respeito da entrada de venezuelanos no Brasil nos últimos tempos ainda não estão claros. Segundo a Polícia Federal, do ano passado até agora foram solicitados 1,8 mil pedidos de refúgio no País. Mas há uma imensidão de gente que entra clandestinamente, portanto não contabilizada. As cidades mais procuradas são Boa Vista, capital de Roraima, e Pacaraima, fronteira com a Venezuela. Lá, o afluxo é maior. Todos os dias, forma-se do lado venezuelano uma fila de carros esperando para entrar no Brasil. Nas ruas, o espanhol se confunde com o português. Os que vêm abastecer a despensa ou o automóvel rodam de mercado em mercado, de posto em posto de gasolina, procurando o melhor preço.
Aqueles que vêm para ficar se dividem em dois grupos. Os que têm parentes se abrigam com os seus. Os que não conhecem ninguém se juntam em quartos onde dividem o aluguel, ou ficam pelas ruas mesmo. Arrumam dinheiro nos semáforos, trocando a limpeza de pára-brisa por uns trocados, ou trabalhando na descarga de caminhões. Uma consequência infelizmente comum em circunstâncias tão difíceis é a entrada na prostituição de meninos e meninas que não encontram alternativas. Em Pacaraima, isto já preocupada as autoridades.
A situação da invasão venezuelana se agravou tanto que, na semana passada, um gabinete de emergência foi montado pelo governo de Roraima. “Os problemas estão surgindo”, contou o coronel Doriedson Ribeiro, secretário-executivo da Defesa Civil de Roraima. Muitos procuram os hospitais e as escolas brasileiras, acarretando uma sobrecarga em sistemas que não conseguem dar conta sequer da demanda interna. “Precisamos de apoio para que possamos absorver essa nova população.”
Do lado de lá, dentro da Venezuela, cresce o número de miseráveis. Em 2013, meses depois de sua posse após a morte de Hugo Chavez – seu padrinho político-ideológico – , Maduro prometeu que acabaria com a pobreza. Como toda promessa feita em cima de balelas populistas e não em sólidas consistências técnicas, não chegou nem perto de ser cumprida. Naquele ano, o índice de venezuelanos que viviam em extrema pobreza era de 5% da população. Em 2015, era de 9,3%. Segundo levantamento da Universidade Católica Andrés Bello, de Caracas, no ano passado a pobreza havia chegado a 73% dos lares venezuelanos.
No ano passado, a pobreza havia chegado a 73% dos lares venezuelanos
A degradação social a que Maduro conduz seu próprio povo atinge, claro, outras áreas fundamentais da vida. Os índices de criminalidade dispararam de 25 assassinatos por cem mil habitantes em 1999 para 82 homicídios por cem mil habitantes em 2014. Pessoas são assaltadas na rua simplesmente porque carregam produtos do cotidiano, como pão, arroz e papel higiênico. Recentemente, a imagem chocante de recém-nascidos acomodados em caixas de papelão dentro de uma maternidade deu a exata dimensão do desastre na assistência à saúde patrocinado pelo ditador.
MISÉRIA: O desemprego obriga muita gente a trabalhar em lixões
MISÉRIA: O desemprego obriga muita gente a trabalhar em lixões
Os números da ruína econômica são igualmente impressionantes. Neste ano, a inflação na Venezuela deve ultrapassar 700%, e o bolivar, a moeda nacional, hoje vale menos do que um centavo de dólar. O índice preços ao consumidor havia subido mais de 140% entre setembro de 2014 e 2015.
Parte da falência venezuelana se deve à queda no preço dos barris de petróleo registrada nos últimos anos, de cerca de US$ 100 para menos de US$ 30. A diminuição foi a pá de cal em uma economia na qual mais de 50% de sua riqueza vem da exportação do combustível. Para se ter uma ideia, em 2014 o país somou US$ 75 bilhões em exportações. Em 2016 o ganho não ultrapassará os US$ 27 bilhões.
É simplista demais, porém, atribuir apenas às circunstâncias econômicas internacionais o desmonte venezuelano. Ele é resultado de uma política consistente de destruição que começou com Hugo Chavez, em 1999, e que continuou com Maduro, discípulo do que se convencionou chamar de “chavismo”. Por essa doutrina, entende-se uma visão ultrapassada segundo a qual o Estado deve ter um tamanho gigantesco na economia, o culto à personalidade e a distribuição de benesses aos mais carentes são os truques para ter apoio entre a base social mais baixa e os oposicionistas simplesmente devem ser calados. É a cartilha clássica pela qual rezaram outras figuras lastimáveis da história, como os ditadores Muamar Kadafi, na Líbia, e Pol Pot, no Camboja.
1
PRESSÃO MUNDIAL
O último golpe de Maduro no caminho da democracia foi dado na semana passada, quando uma manobra feita por seus apoiadores adiou para 2017 as eleições para os governos estaduais, marcadas para o fim do ano. Maduro sabe que pode perder feio, como perdeu nas eleições para a Assembleia Nacional, em 2015, quando a oposição conquistou 112 dos 167 assentos. O venezuelano quer também ganhar tempo e empurrar o quanto puder a realização do referendo revogatório de seu mandato. Planejada pela oposição, a ação pode tirar Maduro do poder, mas para ser iniciada precisa ter o apoio de pelo menos 20% dos eleitores. “O governo de Maduro sabe que está em uma situação muito difícil. Há uma tragédia política e social no país”, diz o cientista político venezuelano Rafael Villa, professor da Universidade de São Paulo. As assinaturas pedindo o referendo serão coletadas na semana que vem.
O mundo observa com atenção o que está acontecendo e pressiona para que a ditadura de Maduro chegue ao fim. Na América Latina, os países fundadores do Mercosul – Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai – proibiram a Venezuela de assumir a presidência rotativa do bloco sob o argumento de que o país não cumpriu normas vigentes da associação. O ato tem um forte simbolismo e sinaliza que, da forma como é governada, a Venezuela dificilmente se integrará aos demais países. Luis Almagro, secretário-geral da Organização dos Estados Americanos, foi direto. Pediu o fim do que chamou de tirania no país sul-americano. “Não há hoje na Venezuela nenhuma liberdade fundamental nem nenhum direito civil ou político”, afirmou. “Ultrapassou-se um nível, que significa o fim da democracia. A comunidade internacional é clara ao pedir não mais tirania no céu. Um céu que já não existe.”
Fotos: John Moore/Getty Images; Avener Prado/Folhapress; Marco Bello

Nenhum comentário: